ENCHENTE NA RUA GENERAL RAPOSO

gen raposo 3 29032015gen raposo 4 22032015As eleições se passaram. Os candidatos eleitos são os mesmos e nossos problemas também. Quando chove nossas ruas enchem. Chuvas rápidas e não temporais. Parece matéria repetida mas não é já retratamos aqui fotos da Pedro Gomes tiradas pela moradora Sonia Regina e agora nosso fotógrafo é o Thiago Machado da rua General Raposo. As obras prometidas não são feitas.

gen raposo 1  29032015gen raposo 1 22032015

4 anos de saudades

Adriana Silveira, presidente da Associação dos Anjos de Realengo e mãe de Luiza Paula,
nos faz um relato destes quatro anos de saudade e da luta das mães dos Anjos de Realengo.

É uma luta desigual, mas a luta continua e contamos com o apoio da população que

sempre esteve ao nosso lado, e continua mandando uma palavra de conforto uma palavra
de carinho e isso tudo nos ajuda a se manter de pé, pois vivemos de altos e baixos e IMG_20150305_110422279_HDR IMG_20150305_110230760_HDRquando uma mãe está mais fraquinha vem outra e ajuda e vice e versa.

Hoje lutamos não mais pelos nossos filhos, mas pelos filhos
de nossos amigos e vizinhos por todas as crianças de nosso
país. Queremos o direito de botar nossos filhos dentro da
escola e ter a certeza de que vamos voltar e pegá-los com
vida, pois a situação da segurança das escolas está precária, os vigias e porteiros já foram
retirados, ficaram  durante três anos e agora todo já foram mandados embora,uma solução IMG_20150305_092851057_HDR IMG_20150305_092847251_HDR (1) IMG_9816temporária.

IMG_20150305_122315414_HDR

 

 Homenagem aos Anjos.

E nós estamos pra receber uma homenagem em forma de estátua em tamanho real aqui em Realengo, e já que Realengo está pra fazer 200 anos, que possamos receber
este presente, em uma praça digna, uma praça legal, onde nossas crianças possam ir, brincar com segurança. Mas estamos sem local definido, optamos pela praça
Piraquara que é uma praça de fácil acesso a tudo, é bem visível enfim, mas estamos enfrentando o dilema que a nossa prefeitura se recusa a cobrir parte do Rio
Piraquara (atualmente o rio a divide). Assim ficaria uma praça única e mais segura, como já foi feito em outro rio no mesmo bairro, portanto é viável; juntamente com uma reforma, pois como hoje está nem podemos chamar de praça e sim logradouro público, tanto as
crianças quanto os 200 anos do bairro merecem uma nova praça.

PORTEIRAS DEMITIDAS PARTICIPAM DE MISSA DOS ANJOS

Conversamos com as porteiras Fátima Trota, Rosângela e Vilma Virgílio, que trabalharam na rede municipal de ensin, e que participaram da missa em memória dos anjos. Elas nos contaram que foram contratadas para trabalhar nas portarias logo após a tragédia da Escola Municipal Tasso de Oliveira. Passaram por um curso realizado na Guarda Municipal, que tinha cerca de 3 mil porteiros, e que passados 3 anos foram todos esses demitidos, ficando as portarias desguarnecidas e entregue a pessoas com desvio de função. Perguntam as porteiras como fica a segurança das escolas já que elas eram responsáveis pela entrada e saída, atendimento a estranhos, mantendo sempre os portões da escola trancados.

“Assim, as nossas crianças iam estudando com tranquilidade, os nossos diretores podiam trabalhar com tranquilidade. Os agentes educadores podiam ir para o serviço deles, que é circular pelas escolas e auxiliar os professores nos corredores. O secretário escolar podia ajudar o diretor na área administrativa, e a gente fica ali naquela parte.” – disse Vilma Virgílio, que trabalhou na Escola Municipal Ema Negrão de Lima, e indagou à secretária Helena Bomeny o porquê das porteiras não serem consideradas qualificadas, como teria afirmado a secretária, uma vez que passaram por curso realizado pela própria prefeitura. “O que será preciso acontecer? Uma nova tragédia?”

Estrada dos Teixeiras, um caminho viável até Jacarepaguá.

50 minutos caminhando sem pressa vamos de Realengo ao Boiúna”

 

Fica a dica de uma caminhada bem interessante.

GEDSC DIGITAL CAMERA

Sempre ouvimos falar que este caminho era praticável, mas agora comprovamos e ele existe há mais de meio século e as autoridades nunca colocaram em prática o seu uso, mas agora impõe uma via (Transolímpica) com tarifa de pedágio em perímetro urbano (discordamos totalmente desta cobrança).

A Aventura!

O grupo sócio cultural Maria Realengo organizou um passeio pela Serra do Jardim Novo na Estrada dos Teixeiras, com destino à Boiúna (sub-bairro de Jacarépagua). Adoramos a ideia, pois leitores anteriormente já tinham dado a dica que esta estrada é viável e bem cuidada, mas sinceramente desconhecíamos e sempre que perguntávamos um ou outro, as respostas eram parecidas ou desconheciam ou fazia GEDSC DIGITAL CAMERAtempos que não iam lá e tinham receio da violência ou o que se iria encontrar. Bom, para sabermos a verdade encaramos o desafio e nos preparamos para a empreitada, fizemos o registro fotográfico do local e contamos aqui a aventura.GEDSC DIGITAL CAMERA

 

Marcamos às 07h30min, mas alguns atrasos nos fizeram sair somente as 09:00 hs. Mas em 50 minutos chegamos à Taquara no ponto final do ônibus 761.

No início do caminho, que fica na Avenida Frederico Faulhaber, na junção da Manoel Nogueira de Sá, com Pirpirituba a Rua do Canal  atrás da Clínica da Família John Cribbin, área residencial bem simples. Motos e carros cruzam a via diversas vezes tanto subindo ou descendo. É um pouco estreita no começo, mas logo adiante ela fica mais larga e com trechos constantes de asfalto.

A impressão que se tem é que estamos em uma zona rural, com casas com quintais enormes e muitos animais como patos, galinhas, gansos e cabras livres nos terrenos com chácaras e roças tímidas em um ponto e outro encontramos córregos que surgem do meio das pedras e esquecemos que ainda estamos em Realengo.

Muitas casas simples e pequenos sítios ao longo do caminho volta e meia surge uma casa ou outra que ostenta certo conforto. Em algumas vezes no alto da serra, avistávamos bairros ao longe.

Depois muito verde ao por todos os lados, em um dado momento cruzamos com uma carroça que nos fazia lembrar ainda mais um lugarejo do interior realmente e um pouco mais adiante já na descida perguntamos a uma moradora que bairro era aquele,  esta foi rápida: Taquara.GEDSC DIGITAL CAMERA

E isso foi em menos de uma hora onde fomos curtindo, fotografando cantando, parando aqui ou acolá para apreciar algo.

Também encontramos lixo jogado nas encostas, indagamos algumas pessoas que afirmam que a Comlurb passa regularmente, e somente alguns moradores são realmente ignorantes.  Isso já no Bairro Boiúna avistamos o Hospital Santa Maria e vimos que a prefeitura está construindo um EDI (Espaço de Desenvolvimento Infantil) na Estrada dos Teixeiras.

Ai viramos à direita sobre uma ponte e fomos na direção do Lar Frei Luiz (não chegamos até lá, pois tomamos outro caminho).

Uma parada para um churrasquinho básico que foi preparado pelo Sidnei na Rua Pereiro, no bar Bicão de propriedade de Dona Célia… (que nos contou que todos domingo bem cedinho logo que ela abre, chegam dois senhores que caminham de Realengo, e param para molhar a palavra).

Energia Positiva.

Foi uma parada longa que terminou somente às 13h 47 min, onde ouvimos música, papeamos e descansamos para parte final… esta sim realmente de trilha (imaginem com a barriga cheia subir o morro novamente).

Foi um dia agradável e surpreendente, pois é muito prazeroso constatar que praticamente no quintal de nossa casa podemos estar em contato com a natureza e boa parte dela muito bem preservada. Não preciso descrever muito, pois as fotos falam por si. Em alguns locais constatamos que o replantio vem ocorrendo e em bem pouco tempo tudo vai estar GEDSC DIGITAL CAMERAnovamente reflorestado. Depois saímos numa trilha que sai atrás do Jardim da Saudade.

Atualizando. Esta publicação original foi feita no Blog Pró-Realengo em setembro de 2012 e sobre o asfalto é possível passar com tranquilidade com um carro alto, pois no trecho inicial ainda não asfaltado, existe trechos com certa dificuldade, mas superável. O caminho final da trilha não existe mais (saída atrás do Cemitério), pois com a Transolímpica, este trecho foi interditado.

Ataque ao IFRJ Campus Realengo

parque verde 01Uma tragédia anuncia e quantas delas acontecem. Na nossa edição de Dezembro levantamos a mais nova luta da sociedade de Realengo. O Parque Verde no antigo terreno da fabrica de cartuchos ao lado IFRJ Campus Realengo.

Na reportagem mostramos o abandono do terreno e sabemos que tudo que está abandonado é uma porta aberta para o consumo de drogas. Hoje no início da noite o IFRJ Campus Realengo foi atacado por usuários de drogas. Atiraram pedras e quebraram vidraças do instituto. Chamado ao local o Exercito alegou que o terreno pertence a Poupex. E a nossa pergunta é o que fazer ou quem chamar num momento destes.abandono 01

O povo já decidiu que quer a revitalização da área para fins de lazer. O poder público não se faz presente e dificulta o povo organizado de levar sua bandeira a frente porém é ineficiente em gerir o espaço com o mínimo de segurança.

O verde que queremos e queremos logo. Não ao condomínio e não a derrubada do verde que nos traz  como consequência  a escassez de água. Quem está atras deste interesse.10934725_1592577484310496_1294038629_n10937403_1592577814310463_383852008_n 10956094_1592577680977143_682340034_n

Quem faz parte do Realengo Que Queremos

 

Ângelo Inácio, assessor parlamentar e membro da Pastoral do Meio-Ambiente da Paróquia Divino Espírito Santo – Diz que o movimento vem fazer eco às possibilidades de evolução das associações de moradores, agora relacionadas ao meio ambiente e ao amadurecimento da democracia, sendo baseado na Agenda 21 e o Rio+20. No âmbito da atuação da Pastoral foi feita uma enquete e a população colocou como prioridade área de lazer, para surpresa dos membros da pastoral que achavam que saúde ou segurança seriam mais pedidas. A pastoral abraçou a ideia, primeiro com o parque da serra do Barata, e agora com o terreno baldio de 142 mil m²no centro do bairro. Ângelo fala que o movimento em si realizou duas manifestações com abraço ao terreno, e uma dando a volta no quarteirão colocando galhardetes com os dizeres “Parque Verde queremos agora”,  abaixo assinado com a população, e que conseguiu  e contatos com políticos de diversos partidos.

angelo

 

Luiz Fortes, editor do Blog Pro-Realengo: “A história do parque verde é recente. Mas o sonho de tornar aquela área uma área de lazer é antigo, já vem de muito tempo. Já fez parte de projeto de lei e seminário realizado. Agora a Pastoral do Meio ambiente concretizou com um movimento chamado Realengo que queremos. Fui convidado para as reuniões e participei de todas, apesar de não ter uma organização oficial, tem a possibilidade de participação de todos. Segundo Luiz Fortes, o IFRJ também tem interesse de ampliar suas instalações e vê com bons olhos esse movimento, tanto que a diretora Sandra tem dado apoio e cede uma sala para reunião do grupo.. Para ele, o maior empecilho ainda está na resistência do Exército”.

Luiz Fortes

Sérgio Sant’Ana – Psicólogo e morador da Av. Santa Cruz – Sérgio conheceu  Ângelo Inácio depois de um curso de desenho. Através do contato pelo Facebook, conheceu a luta pelo parque verde. Interessou-se em fazer algo pelo bairro, algo mais coletivo. O que levou Sérgio a se engajar no movimento Realengo que queremos foi a proposta de cultura e lazer, porque a comunidade é muito carente neste aspecto. Participou de várias reuniões e de várias atividades como a caminhada com colocação de galhardetes, além de colaborar na parte de informática. Ele vê como maior dificuldade o engajamento maior da população. Segundo ele, cada pessoa que chega ao grupo tem potencial para agregar ideias para o parque

sergio

O QUE SONHAMOS PARA O PARQUE VERDE:

 

Faculdade de Educação Física (IFRJ)

Unirio

Instituto do Coração

 

 

Preservação da área verde

Jardins

Revegetação

Projetos sustentáveis (compostagem)

 

Pista de caminhada

Campos de futebol

Ciclovia interna

Pista de skate externa

Parquinho

Academia da Maior Idade

 

 

Museu da Fábrica

Teatro

Centro Cultural – (Nave do Conhecimento)

Sala de espetáculos

Sala de Oficinas

Biblioteca

Conservatório de música Museu da Fábrica

 

 

Bicicletário

Quiosque

Banheiro (fraldário, adaptado)

Bebedouros

Fraldário

Tratamento de esgoto

Centro administrativo – salas de exposições

Hoje só temos o abandono:

abandono 01

abandono 02abandono 03

Mc.Magalhães: Ícone da Cultura Funk Carioca.

Mc.Magalhães e Marcelo Gularte que dirigiu o documentário. foto Cleber de Jesus

Ícone da Cultura Funk Carioca

Marcelo Gularte, morador de Realengo, cineasta que dirigiu o premiado curta “Bangu Território em Transição”. Fez dia 1° de maio a pré-estreia, na sede do Bangu Atlético Club, do seu mais novo documentário, também um curta, “Mc Magalhães uma Lenda

Viva do Funk”. O filme conta um pouco da história desta pessoa emblemática da cultura funk que é conhecida em toda a cidade do Rio de Janeiro, sobretudo na Zona Oeste.

 

O diretor, habilmente alterna imagens do protagonista em diferentes locais da cidade do Rio, com depoimentos de Marcus Faustini, Chiquinho do Pandeiro, DJ Marcelo André, MC Leonardo, Clécio Régis, Mc Marcinho entre outras pessoas que conhecem e admiram o trabalho de Magalhães, além de sua mãe, D. Vera. As imagens do MC corroboram os adjetivos que os depoentes atribuem a ele: alegria contagiante, simplicidade, pureza, humildade e garra e afirmam a importância que ele tem para a cultura popular carioca. Gularte aborda ainda, a querela judicial com a Furacão 2000, que teria se aproveitado da simplicidade e pureza do Magá.

 

 

O “Rap do Trabalhador” tornou Magalhães conhecido em todo o Brasil, e é sua composição de maior relevância e reconhecimento. Esta música fez muito sucesso na década de 90 e inseriu Magalhães no cenário do funk, com o seu jeito crítico e peculiar de compor. A música trás uma crítica política a maneira como a prefeitura, sob a administração do então prefeito, César Maia, reprimia os vendedores ambulantes na cidade e fala do cotidiano do MC.


Rap do Trabalhador – autoria de Mc. Magalhães

 

 

Tchurunanublaze............Maroulive
Tchurunanuglanver.........Maroulevre
Vendo Chokito-ô............Marouglive
Tira o Pali-blazer............Lalalalá
Vendo bala....................eu Trabalho
Vendo Chokito-ô............Magalhanze
Trabalhador-ô.................quele Rap
Euuueuderado................temarada
Vende Bombom-ô..........Magalhanze
Considerado-ô................qualquer parada
Compro barulho-ô...........Magalhanze
Trabalhador-ô..................vendo bala
Tomaram minha caixa.....de bombom-ô
Do serenata....................de amor-ô
Aquele Rap.....................eu trabalho
Considerado-ô.................patabalho
Vou pro Coleginho-ô.........César Maia
Quebrou a firma...............César Maia
Todo mundo duro-ô.........Magalhanze
"Agora dança do Magalhães vai lá
ôôôô.......Magalhanze"
É quatofunke..................Maroulive
Tchurunanublaze............Marioklunfer
Cato garrafa....................No Mackenzie
É Magalhanze................Magalhanze
Você trabalha..................Vende Chokito
Tchurunanublaze.............Maroulive
Tchurunaluglanve.............lalalalá
Considerado-ô.................me pegaro-ô
Tomaram minha caixa......de bombom-ô
Serenata de amor-ôôô......Magalhanze
A Verdade.......................a verdade
Mando nas mulheres........eu que mando
É eu que mando...............Magalhanze
Você que é o cara............Magalhanze

 

Amigos do Magalhães na pré-estréia em Bangu. Foto Fernando Machado

Ignorando preconceitos gramaticistas, concordo com Marcus Faustini quando diz que existe sofisticação em sua composição e ele parece flertar com a poesia concreta, ainda que nem ele mesmo saiba disso.

Magalhães e sua mãe Dona Vera.(momento família.) foto cedida pelo blog Pró-Realengo

Magá assistindo atentamente o documentário sobre ele. foto cedida pelo blog Pró-Realengo

O talentoso artista multimídia Marcelo Gularte, mais uma vez ratifica seu compromisso com suas raízes e volta seus olhos aguçados, para a zona oeste. Esta região da cidade que é extremamente esquecida por projetos culturais enquadrados ou não em editais públicos ou leis de incentivo a cultura. E tem uma carência enorme de espaços culturais públicos.

 

 

 

O filme, por se tratar de um curta metragem tem sua limitação temporal, e quando estamos nos divertindo e apreciando conhecer um pouco da vida de Magá, abruptamente ele acaba nos deixando um “gostinho de quero mais”.


 

Por Armando Gamboa  / Produtor Cultural


Outras referencias a ele na Net. http://www.funkderaiz.com.br/2009/02/mc-magalhaes.html

No Blog pró-Realengo

http://www.pro-realengo.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=509:magalhaes-um-famoso-desconhecido&catid=49:dicas&Itemid=57

No Youtube

http://br.youtube.com/watch?v=mF45tgIkv7I

Olhem a montagem do “Rap do Trabalhador”

http://www.youtube.com/watch?v=iZ8f9PccIJY

EC JORGE BENJOR PREPARA A VOLTA

 

O novo espaço em panoramica

 

Por MARCELO QUEIROZ

Conversamos com Sergio Abraão Barreto, o Zinho, presidente da ONG Subúrbio Carioca fundadora do Espaço Cultural Jorge Benjor e que administra a Lona cultural Hermeto Pascoal em Bangu e o Espaço Cultural Subúrbio Carioca em Magalhaes Bastos.

 

Sergio Abraão Barreto, o Zinho, em frente ao novo Espaço

 

 

O INÍCIO DO ESPAÇO JORGE BENJOR

Sergio nos conta que em 2007 em parceria com a Supervia e com ajuda de alguns moradores que já tinham participações neste segmento, criou o Espaço Cultural Jorge Benjor com o intuito de fomentar a cultura e área social na região. O Espaço foi uma homenagem ao famoso cantor popular. Não havia apoio do poder público e os artistas aceitaram a ideia. Assim vários nomes da música se apresentaram no local, a começar pelo padrinho Jorge Benjor, que ficou muito feliz com a homenagem, visto que tinha recebido homenagens mundo a fora, mas aqui no Brasil não. Lá se apresentaram nomes como Marcelo D2, Pitty, Flavio Venturini, Alcione, Guilherme Arantes, Zeca Baleiro entre outros.

 

Entrada do antigo Espaço Jorge Ben Jor

 

 

O FECHAMENTO PARA OBRA DO VIADUTO

Sergio nos fala que tudo vinha se mantendo com muita dificuldade até o Espaço precisou ser fechado para obra de duplicação do viaduto de Realengo. A ONG Subúrbio Carioca apoiou a iniciativa, pois a obra era importante para o bairro e se a ONG queria transformação para o bairro, ela não poderia ser contra o viaduto que traria benefícios para toda população.

O prefeito Eduardo Paes conversou com a ONG e propôs a cessão de outro terreno para um novo Espaço Cultural Jorge Benjor. Na época a entidade não sabia onde seria, era um momento um pouco conturbado, pois era época de eleição e com o prefeito buscando a reeleição. Após muitas buscas por um  terreno que servisse ao Espaço, surgiu a possibilidade de ficar perto do antigo local, embaixo do novo viaduto, o que agradou à ONG, que tinha fechado o Espaço para o viaduto e nada mais justo reabri-lo ao lado. Não haveria necessidade de desapropriar praça ou outro terreno, já estava pronto lá em baixo do viaduto. O prefeito topou e o Espaço já esta em obras.

 

Zinho mostra a planta do novo Espaço Jorge Ben Jor

 

A NOVA INAUGURAÇÃO

Ainda não há data para inauguração. Sergio nos fala que obra pública é complicada para ter uma data para inaugurar. Mas nem por isso a ONG Subúrbio Carioca não está preparando a nova inauguração. Claro que a presença do padrinho Jorge Benjor é esperada. Mas existem outras atrações para essa inauguração. Sergio nos conta que o cineasta francês BENJAMIN RASSAD, que vai trazer o também francês VICENT MOON, maior captador de imagens e som do mundo para documentários, fará um documentário sobre a vida de Jorge Benjor e isso vai acontecer em 2014 com fechamento na Copa do Mundo. E a ideia é fazer algumas filmagens do documentário na inauguração do Espaço Cultural Jorge Benjor.

 

Planta do novo Espaço Jorge Ben Jor

 

 

O novo Espaço Cultural JORGE BENJOR

Em relação ao antigo Espaço, Sergio nos conta que perdeu muito em relação à área. No antigo cabiam 2000 pessoas, neste novo Espaço Sergio acredita que possa receber cerca de 600 pessoas bem acomodadas. Fala com a experiência de quem já administrou a lona cultural Carlos Zéfiro em Anchieta, a lona cultural Hermeto Pascoal em Bangu e o próprio Espaço Cultural Jorge Benjor. Perderam em área, mas ganharam um espaço com acessibilidade para cadeirantes nos com banheiros, com infraestrutura nova, com paredes com isolamento acústico, é mais fácil para trabalhar com a vizinhança, não vai incomodar tanto, um espaço mais aconchegante, com estrutura melhor para receber os artistas, para desenvolver os cursos e oficinas, para receber os alunos, a própria comunidade com suas ações aqui dentro do bairro, vai ficar mais fácil recebe-los, maior conforto.

-Não adianta ter um espaço com uma capacidade imensa e não consegue receber as pessoas com conforto.

 

Sergio Abraao Barreto nostra como será a configuração do novo Espaço

 

A DATA DA INAUGURAÇÃO

Indagamos se o Espaço vai ser inaugurado em 2013, o que foi confirmado por ele. Tudo está sendo preparado para fevereiro. Sergio acredita que seja no final fevereiro o término da obra, e gostaria que a inauguração fosse feita no dia 23 de março, aniversário de Jorge Benjor, o que segundo ele, seria um prazer para si próprio e para o próprio Jorge Benjor se fosse neste dia. De qualquer forma eles estão preparados para a inauguração se dar no primeiro semestre de 2013 e da forma que explicou Sergio Abraão, ZINHO nesta entrevista ao Realengo em Pauta.

Fotos: LUIZ FORTES

Esta postagem é um Oferecimento de:

 

 

ÉTICA – VACINA ANTICORRUPÇÃO

ÉTICA – VACINA ANTICORRUPÇÃO

Algumas pessoas defendem que Ética pode ter valores diferentes. Duvido que todas as hipóteses para definição de Ética nos deixem de levar para o Bem. Se isso acontecer não é Ética. Vamos transcorrer sobre este raciocínio em 3 assuntos tratados pela imprensa nos últimos dias.

Os que representam o povo no poder legislativo, representação transitória, pensam estar acima da lei. Tramita na Câmara Federal uma PEC que tenta restringir o poder investigatório do Ministério Público. A proposta vem de um parlamentar lá do Maranhão que entende que a maior preocupação do Congresso é evitar que parlamentares sejam investigados como vimos no crime do Mensalão.

Na outra casa de representação do povo – representação transitória, voltamos a afirmar, pois nenhum político deve ter mandato vitalício – os nobres senadores dão prova de sua falta de respeito com quem lhes delegou poder e com o dinheiro público que deveriam fiscalizar. Ocorre que após receber por anos a pecúnia financeira chamada de 14º e 15º salários – que o povo, que eles representam, não recebe – e não tendo cumprido a obrigação de pagar imposto de renda sobre essa pecúnia, eis que cerca de 100 senadores (período entre 2007 a 2011) repassam aos cofres públicos a obrigação devida. O senado, lembramos leitores é presidida por uma eminência parda do Maranhão.

O terceiro caso não vem do Maranhão, mas do núcleo do petismo, um esquema de tráfico de influência de certos irmãos Vieira e a secretária do ex-presidente da república. O esquema lembra o Mensalão, crime que segundo os acusados e petistas não existiu, mas que a providencial delação de um dos pulhas do esquema e a devida atuação do Ministério Público e os ministros do STF, provou que existiu e condenaram muitos réus.

Nestas três tristes notícias temos ingredientes como a impunidade, a arrogância, o descaso com o dinheiro público, mas o que se sobrepõem a todos esses ingredientes é a falta de Ética de certos agentes públicos que detém um mandato político e que discursam como guardiões da moral e na realidade confundem o público com o privado. Cidadania e Ética devem ser aprendidos desde berço.

Marcelo Queiroz /coluna Ética e cidadania

MARCELOQUEIROZ Morador do lado sul

Charm em Realengo

Por Sidnei Oliva

Embaixo do novo Viaduto de Realengo acontece toda sexta feira, um Baile Charme.

baile charm no viaduto de realengo

Sexta-feira, e eu em casa às 22h lendo um bom livro quando me lembrei que uma faixa posta em frente ao novo viaduto de Realengo, me convidava a um baile charme.

Logo que foi inaugurado nosso viaduto, além da agilidade viária à Av. Brasil, o espaço ocioso que ficara me lembrou de Madureira e como um movimento popular sem recursos ou pompa, fincou a bandeira do charme na cidade e hoje é referencia nacional. Desci a Rua Piraquara e por trás do Extra alcancei a Bernardo de Vasconcelos. Chegando ao viaduto, podemos entrar por ambos os lados e ao chegar à pista principal, somos saudados por olhos curiosos transmitindo um singelo “bem-vindo” e logo ficamos à vontade. Em frente ao DJ e a sua pomposa nuvem de luzes, quatro filas de jovens dançarinos com idades variadas sincronizavam o bailar charmoso dos anos 70 e 80, um pouco atrás dessa linha um cercado protegia mesas e cadeira familiares, inclusive com crianças. A segurança é discreta e informal e percebi logo que cheguei que fui sondado. Há dois banheiros químicos dando credibilidade ao evento. As bebidas estavam geladas e a nota triste foi não ter o que comer, segundo o rapaz da bebida, o responsável pelo churrasco deu “bolo”. Uma pena, pois pensei em ficar mais um pouco e curtir o balanço despretensioso da rapaziada, mas meu estômago disse não e eu obedeci.

Divulgação do evento

 O angu da Cohab saciou minha fome, mas não a fome de tentar ao menos um passinho que aprendi à 20 anos atrás…vou voltar..

Sidnei Oliva Silva – Morador do Lado Sul – integrante do Grupo Sócio-Cultural Maria Realenga

Toda sexta-feira a partir das 22:00, tem Charme no viaduto de Realengo, com equipe Mistura Black e os Djs residentes: Vladimir, Guti, Vinícius, Pretinho, Kito e Gildo), realização (Ronaldo Pereira e Belo do karaokê), onde se pode curtir o melhor do charme, mid back e hip hop.

Fotos de Luiz Fortes e divulgação.

Realengo 197 anos

Diversos eventos marcaram as comemorações dos 197 anos de Realengo que ocorreu no dia 20 de novembro e foi comemorado na Praça Padre Miguel nos dias 23,24 e 25 seguintes, em evento organizado pela CCRA (Câmara Comunitária de Realengo e Adjacências).

A presença das Instituições educacionais como CAP UCB / Castelo Branco, Conselho Municipal de Saúde, Faculdade São José e dos Anjos da Vida coordenados pelo Sr. Paulo Nascimento, que fizeram com as crianças demonstrações de resgate e orientação de prevenção contra acidentes. A Feirinha de Artesanato se fez presente em todos os dias dos eventos, onde diversos moradores puderam comprar antecipadamente alguns presentes para o natal a preços bem interessantes.

Na sexta feira a parte cultural teve variadas atrações que dividiram o palco cedido pela Clécio Régis Cenografia, em que se apresentaram o cantor Samuel (Samuk)  que deu um show ao violão, com repertório variado da nossa MPB e também a Orquestra de Violinos Som da Paz que tem entre seus integrantes crianças de 5 (cinco) à 18 (dezoito) anos que apresentaram um repertório com belíssimas musicas muito bem ensaiadas, a Banda Marcial do Colégio Realengo sob a regência de Luiz E. Paulo também deu um show de musicalidade e coreografia. 

Mas uma apresentação em especial que deixou os presentes emocionados foi a do Grupo Acreditar, que é formado com integrantes da instituição  Ação Cristã Vicenti Moreti, de jovens especiais.

A Escola de dança de Vânia Reis apresentou algumas coreografias, a seguir subiram ao palco a Banda Saga e o Grupo de Louvor da Igreja da Colheita e antes o Coral da Igreja São Judas Tadeu mostrou seu belo trabalho de afinação e harmonia entre as vozes. 

Também contamos com a participação de Max das Pipas que tem o titulo de campeão mundial e promove oficinas e participa de festivais no mundo todo. Promoveu uma oficina de pipas, ensinando a criançada e de alguns adultos também que aproveitaram para aprender a confeccionar esta brincadeira barata para seus pimpolhos.

E no final da tarde a Escola de Dança Daniela Marcondes apresentou alguns números muito bem coreografados. Com suas alunas muito bem paramentadas, também teve tempo de uma apresentação de capoeira.

No domingo apesar da chuva aconteceu uma exposição de carros antigos com o Grupo Z.O.C.A (Zona Oeste Carros Antigos).   Todos os participantes quanto os organizadores estão de parabéns como Realengo!