Seminário da Casa Fluminense

4º Fórum Rio por Vitor MihessenVitor TV Brasil 1.1

Sou Vitor Mihessen, sou de Realengo, sou formado em Economia pela UFRJ e mestre pela UFF. Minha linha de pesquisa na academia trata de problemas que eu vivi desde os tempos de escola e que, apesar de descobrir bem depois, fazem parte de uma problemática muito famosa atualmente, chamada Mobilidade Urbana.

Eu e muitos do conjunto dos territórios que compõem a metrópole do Rio de Janeiro, precisamos nos deslocar por muitas horas para estudar/trabalhar, em uma batalha diária.

IMG_9276IMG_9261Foram três seminários de desenvolvimento local que abordaram: I)Panorama dos indicadores socioeconômicos oficiais sobre o território da AP5, apresentados por mim mesmo; II) boas práticas no campo da segurança pública em favelas apresentadas pela Eliana Sousa, do Redes da Maré e, por fim,III) exemplos de campanhas de mobilização social através da internet, com Guilherme Pimentel, da ONG Meu Rio.IMG_9280

E as salas do colégio Stuart Angel deram início às discussões, que versaram sobre os temas: Segurança Pública, Mobilidade Urbana, Cultura, Juventude e Crise Hídrica.

Fui mediador e palestrante do tema Mobilidade Urbana. Nossas parceiras convidadas foram a Clarisse Linke do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento, ITDP-Brasil, e a Ana Gabriela Ribeiro, do Coletivo Campo Grande, com a campanha #onibusmepega, que provoca as autoridades públicas a fiscalizarem a atuação das empresas de ônibus do município, sobretudo quanto à oferta e a qualidade das linhas que atendem (ou deveriam atender) a região.

Dei início com alguns pontos da minha pesquisa. De como a mobilidade urbana atinge a todos diariamente, já que os serviços de transporte são vitais para que outras atividades se desenvolvam, seja trabalho, estudo ou lazer. Para quem demora uma hora e meia se deslocando por dia, ao fim do ano passou um mês inteiro em trânsito. A depender do modal e do horário utilizados, são, de fato, tempos perdidos.IMG_9350 IMG_9344

Só na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ), um milhão de pessoas são atingidas todo ano. Outro dado alarmante é que aproximadamente dois milhões de pessoas de todas as partes se dirigem ao Centro da cidade do Rio todos os dias, o que comprova que há concentração do emprego, das oportunidades de estudo e também lazer.

Outra questão, levantada pela Clarisse, são os baixos investimentos em transporte público, em contrapartida com os diversos incentivos dados para o uso de automóveis, tema abordado na Lei Nacional de Mobilidade Urbana. A diretora do ITDP-Brasil defende ainda, que seja posta em prática a cultura do uso misto dos territórios, planejando a cidade para que os bairros e as vizinhanças sejam lugares que, desenvolvidos a partir da estrutura viária já existente, ofereçam oportunidades de trabalho, estudo e arte para seus moradores. Este modelo permitiria que modos de deslocamento saudáveis e menos poluentes fossem utilizados prioritariamente.IMG_9317

A estudante Ana Gabriela Ribeiro, falou como moradora e como ativista do coletivo que expõe a indignação com o sistema de transportes da Zona Oeste, ou melhor, com a ausência de um sistema, propriamente dito, integrado e sem falhas na operação. Argumentou que as pessoas que têm direito à gratuidade na tarifa são preteridas pelos condutores e deixadas nos pontos para longas esperas, o que representa um desgaste a mais para estes usuários. Sem contar que algumas linhas possuem horário reduzido de operação, o que impede que as pessoas cheguem em casa depois de determinada hora, às vezes optando pela informalidade, seja no transporte alternativo, seja no mercado de trabalho ou até mesmo no desestímulo à procura de boas oportunidades.

A esperança da Casa Fluminense e de todos nós, moradores de uma das metrópoles mais desiguais do mundo, é de que as mobilizações se multipliquem, de variadas formas, para que possamos cada vez mais ver garantido um direito fundamental para a democracia, que é o de participar das decisões feitas nos territórios e definir suas agendas prioritárias.Acredito que esta metodologia serve para dizer que quem tem de dizer o que é melhor para seus bairros, e cidades e regiões metropolitanas são os próprios moradores, ninguém mais.

IMG_9304 IMG_9296 IMG_9280

Gostou na notícia? compartilhe!

Sobre Realengo em Pauta

Um Jornal totalmente dedicado ao bairro de Realengo. Informando e dando espaço em suas paginas, para que seus moradores expressem suas opniões, encaminhem sugestões e abre espaço para que comerciantes e empresários divulguem seus produtos ou serviços e com isso alavancar o progresso do bairro, gerando emprego aos seus moradores e melhoria de renda.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *