ENEM 2017

 

As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 começaram na manhã desta segunda (8). O sistema seria liberado às 10h, segundo previsão do MEC, mas a abertura foi adiantada e os candidatos já começaram a ter acesso ao site por volta das 8h30.

 

Veja abaixo o passo a passo:

1. Endereço para inscrição

As inscrições ocorrem no site www.enem.inep.gov.br/participante.

2. Documentos necessários

O candidato precisa ter em mãos número do seu CPF. É necessário fornecer o dado, além da data de nascimento. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), então, vai cruzar as informações com o banco de dados da Receita Federal.

Fonte: http://g1.globo.com/educacao/enem/2017/noticia/inscricao-para-o-enem-2017-e-aberta-veja-como-fazer-passo-a-passo.ghtm

Entrevista com Lutier

Entrevista com lutier

REP: Realengo em pauta descobriu que em Realengo tem um lutier, e eu queria que você primeiro explicasse para as pessoas qual o seu trabalho como lutier?

LUTIER: Existem vários tipos de lutier, existe o lutier que trabalha com instrumento de madeira e existe o lutier que trabalha com instrumento de metal, e existe aquele que trabalha com madeira mas não faz cavaco nem violão só faz contrabaixo, guitarra que é um instrumento um pouco mais diferenciado na maneira de se construir. Eu trabalho só fazendo cavaquinho, violão e banjo, também sei fazer os outros instrumentos, mas não é legal. A forma que eu trabalho na luteria é só com instrumentos de madeira em construção, a forma que eu trabalho é todo artesanal, eu uso muito pouca maquinário, apesar de eu ter hoje em dia, mas uso muito pouco, as vezes  até a lixadeira ,quando eu me pego eu estou lixando na mão porque  quem me ensinou me ensinou tudo na mão, agente costumava dizer que ele fazia instrumento no dente. Quando eu comecei a conhecer realmente como é que se constrói um cavaco com agilidade eu fiquei até perdido, porque eu conheci uns lutieres que são mega profissionais  os caras são de excelência e vi que a forma que eles construíam e montavam o cavaquinho era totalmente diferente ai eu pensei assim: realmente eu estou  precisando me aperfeiçoar mais. Foi isso até que me qualificou um pouco a mais de que algum, não estou dizendo melhor, me qualificou só um pouco a mais porque eu consigo trabalhar dês da forma antiga, alguns falam dessa forma pré-históricos, como da forma mais moderna. Existem duas formas de construir um cavaquinho, o método contemporâneo e o método espanhol, eu sei fabricar das duas formas. Eu conheço lutieres que tem vinte, vinte cinco anos que não sabem fabricar da forma que eu fabrico.

REP: Além de fazer a construção do instrumento o lutier também faz concertos, aprimoramentos em algum instrumento ou só mesmo a construção e a finalização do instrumento?

LUTIER: Não. Existe o lutier que trabalha só com a fabricação, não gosta de pegar concerto por que realmente você trabalhar com a fabricação e com o concerto da uma dor de cabeça tremenda, porque o tempo que você pode proporcionar para fazer um cavaquinho você não vai ter o tempo necessário porque você tem  que se dedicar aos concertos ,então acaba atrasando  as fabricações ou atrasando os concertos mas o lutier sim ele sabe concertar, nó entendemos a mecânica como é que se constrói então quando da algum defeito no instrumento agente sabe o que tem de fazer ,então agente também trabalha, no meu caso com reforma e construção; porém existe um rapaz que se chama Gerson que trabalha comigo aqui realizando só os concertos.

REP: A sua demanda principal vem da onde? Vem de músicos da região, vem de músicos de outros lugares, é mais focado no violão, cavaquinho ou no banjo?

LUTIER: quando eu falo que tenho só um ano e dois meses de profissão as pessoas não acreditam; mas quando eu comecei há um ano atrás eu só fazia concerto, porque eu trabalhei com Valtão que foi meu mentor, foi um excelente  professor ,infelizmente já faleceu ,mas quando eu trabalhei com Valter eu fazia muito concerto , então o pessoal que me procurava era o pessoal aqui da região, quando comecei a divulgar no faca book na internet o pessoas de outras cidades começaram a me procurar, então exigiu um aprimoramento maior meu, quando eu fui ver eu já estava fazendo concerto e fabricando.

REP: E hoje em dia, você fabrica mais ou concerta mais?

LUTIER: Hoje em dia eu Luiz Carlos só fabrico mas tem o rapaz que concerta, o cliente que quiser vir pra reparar agente vai fazer, mas vai ser outro lutier que vai fazer ,que também é um excelente lutier .

REP: Você falo que esta desenvolvendo essa habilidade há um ano e pouco, você tem outra história. Da onde vem essa outra história do Luiz Carlos?

LUTIER: E porque eu era lutador de MMA profissional aproximadamente por dez anos, viajava, eu não trabalhava eu só lutava vivia realmente da luta, só que há dez anos era realmente muito difícil a vida de lutador de MMA, então eu consegui comprar uma moto de um amigo meu e comecei a trabalhar de moto taxi, então eu conciliava o moto taxi com o MMA, na minha ultima luta eu quebrei a mão e passei uma grande dificuldade fiquei três meses passando fome com duas crianças, graças a DEUS pros meus filhos não faltou nada mas o noite agente queria comer algo eu e a minha esposa  agente não tinha; é a quem eu devo muita coisa a minha esposa , sem ela eu acho que  hoje não estaria onde estou, abaixo de DEUS, lógico, então eu trabalhando no moto-táxi e do nada dentro da igreja, saída igreja e falei: vou vender a moto, vou vender batata. Vendi a moto e comecei a vender batata no meu portão, também não deu muito certo, nem pelo movimento, eu necessitava de comprar batata no Ceasa e não tinha carro, ai eu desisti da batata e comecei a procurar emprego novamente e estava afastado da luta por que tinha a lesão na mão, ai eu me lembrei do Valtão, comecei a ir na casa do Valtão, eu tinha deixado um cavaquinho meu lá com ele, pra ver quanto é que ele me cobrava  pra concertar e saber se o cavaquinho ainda existia lá, graças a DEUS ainda existia, ai eu comecei indo La já existia outro lutier com ele  Antônio que é um bom lutier perguntou pra mim se eu queria trabalhar com ele me ofereceu um salário, poxa!! Muito bom. Eu, desempregado, passando uma grande dificuldade, escutei um bom salário, fui; mas foi só ilusão, acabou que ele não teve condições eu nem cheguei a trabalhar com ele; seu Valter viu que eu era um cara dedicado, empenhado e me chama pra trabalhar, foi aonde as coisas começaram a caminhar para o mundo da luteria e onde as coisas começaram aclare ar pra mim graças a DEUS, ai eu fiquei trabalhando com seu Valter aprendendo por uns três, quatro meses, na época seu Valter  estava com uma cirurgia, se internou durante um mês e meio , voltei a passar um pouco de dificuldades porque eu trabalhava na oficina dele ,eu não tinha nada. Conheci outro rapaz que queria abrir uma luteria e “fechei” com ele essa luteria, só que ele não vinha trabalhar, só eu que trabalhava ai eu fiquei muito chateado, e falei que não quero mais nada, quero desfazer tudo, ai ele falou: você me compra isso ai. Comprei com todo maquinário, tudo com dinheiro da lutieria. O que eu quero explicar é o seguinte: Eu era lutador, de lutador fui pra moto taxista, de moto taxista, vendi bata, depois eu fui pra lutieria, a lutieria também deu uma queda, e com o dinheiro da lutieria hoje eu consegui pagar meus maquinários todos, comprei mais maquinário, tenho a minha loja, depois que sai do Valter comecei a trabalhar na garagem de minha sogra, o chão era todo de barro  vazava água por baixo –só JESUS na causa- Sai de La e consegui alugar aqui onde estou, e estou ai até hoje graças a DEUS. Tudo que eu tenho hoje em dia eu agradeço a DEUS e a, tudo, tudo que eu tenho, e se DEUS quiser ainda hão de vir mais coisas. E hoje em dia eu mando cavaquinho pra Rio Grande do Sul, São Paulo. Estou mandando um  agora pra Bahia, tem um rapaz que viaja pra Santa Catarina que é meu cliente também, graça a DEUS, tem até um musico famoso gospel  Juninho do Banjo eu estou fazendo um instrumento pra ele. Hoje em dia eu não tenho que reclamar mais, só trabalhar bastante.

 

200 anos de Realengo / 200 motivos pra te amar.

Para comemorar o aniversário dos 200 anos de Realengo a sociedade civil organizada se esforça para dar um presente a altura que o bairro merece, listamos aqui algumas delas que inclusive já começaram, e que terá seu ponto alto no dia 20 de Novembro na praça padre Miguel.200anos olharemmovimento

# Mostra Fotográfica

Reprodução

Desde sexta-feira, dia 13 de Novembro até o dia 20 os moradores podem  visitar a exposição:  Olhar em Movimento com fotos tiradas durante a caminhada pelos pontos históricos do bairro.

Local: Biblioteca digital do Colégio Pedro II – Rua Bernardo de Vasconcelos esquina com rua Dr. Lessa.

Confira a programação na página: https://www.facebook.com/circuitoitinerantedepoesia/?fref=ts

 

# CIRCUITO ITINERANTE DE POESIA

Dentro das celebrações dos 200 anos de Realengo o Circuito Itinerante de Poesia em parceria com a Universidade Castelo Branco promove mesas temáticas com foco na poesia. bethcircuito4Será no teatro da Universidade Castelo Branco – Campus Realengo. A entrada é franca. #Realengo200anos

TEMAS:
1-POESIA ENCENA – O PAPEL DA POESIA NA ESCOLA
DIA: 17/11 – 18h
PALESTRANTE: Beth Araujo ( Atriz, Arte Educadora)
CONVIDADOS: Profª Petronilha Alice Almeida Meirelles
Profª Leila Bicudo – Profº Gustavo Pinto, Profª Mônica Martins,
Profª Martha Nogueira – Diretora da Escola M. Corsino do Amarante

– RELAÇÕES RACIAIS NO ESPAÇO ESCOLAR – POESIA DE SOLANO TRINDADE – APRESENTANDO: SOLO PARA SOLANO – ATOR : CARLOS MAIA
Dia: 17/11 – 19h
PALESTRANTE: Profº Esp.Gustavo Pinto Alves da Silva (Pedagogia/História)
Convidados: Profª. Esp. Elisa Simoni da Silva ( Letras/ Jornalismo)

# A FESTA PELOS 200 ANOS na Praça Padre Miguel.

09 hs Abertura com a Banda Sinfônica da 9ª Brigada de Infantaria do Exército Brasileiro.

200anos programa

– Passeio ciclístico ( concentração na Universidade Castelo Branco ) prevista uma volta na antiga Fabrica de Cartuchos, em apoio ao Movimento: “O Realengo que Queremos” – que reivindica a implantação do PARQUE DE REALENGO VERDE, no local.

-Tradicional Ferinha de Artesanato, marca presença.

– A partir das 13hs – Exposição de Carros Antigos com o Grupo West Volks,

Bate-Bolas – Exposição da Fantasia Campêa que homenageou o bairro no Carnaval deste ano, idealizada pelo Grupo União de Realengo,

– 16hs Flash Mob organizado pela companhia “In Off” seguida de Inúmeras atrações de dança de diversas companhias de Realengo e adjacências,

 SARAU em Terras Realengas? 

O COLETIVO ARTÍSTICO-CULTURAL MARIA REALENGA

200anos Sarau3Organizará o Sarau Cultural “ A Praça é Nossa”. Com a presença de inúmeras atrações artísticas-culturais de nosso bairro.

Com a parte musical sendo coordenada por Alex Nistaldo (Misturando o Som)

Escritores de Realengo estarão apresentando seus trabalhos, e outros de fora mas que registraram nosso bairro muito bem em seus livros.

 

Desde março estamos falando neste evento, lamentavelmente não está sendo feito como sonhado, pois a falta de cooperação dos órgãos oficiais para com a sociedade civil organizada é uma coisa lamentável, uma insignificante colaboração de empresários, onde os pequenos prontamente se prontificaram a ajudar.

 Dentro da programação teremos ainda, cinema na praça! 200anos Cinegrada

A festa é nossa! A praça é nossa! Não estaremos aqui nos 300 anos, portanto vamos fazer bonito para inspirar os que organizarão a próxima!

Pró-Realengo informa: Venha e traga a família, recomendamos sua cadeira de praia, não haverá barracas com comes e bebes, somente o comercio local estará disponível, se for de seu agrado, um piquenique particular com isopor é uma boa opção, afinal somos suburbanos.

#realengo200anos  #midiasdazonaoeste

 

Realengo no circuito das artes

Nos 200 anos de Realengo  atriz traz ao bairro o Circuito Itinerante de Poesia

bethcircuito4

       Uma missionária a serviço da arte e da cultura. Assim pode ser definida Beth Araujo, se é que o ser humano permite algum tipo de definição. Moradora de Santa Teresa Beth, que é atriz e arte educadora, percorre os subúrbios e comunidades pobres de nossa cidade compartilhando sua vivência artística com todos.  Em 2014 ela desenvolveu o Circuito Itinerante de Poesia nos Bairros Cariocas, que este ano celebra os 200 anos de nosso bairro, Realengo. As atividades começam dia 1° de Outubro com o lançamento de um selo comemorativo. O encerramento acontecerá no dia 21 de Novembro com uma intensa programação cultural no colégio Pedro II. Confira um pouco paixão de Beth Araujo pela arte e por Realengo.

 bethcircuito3  Em sua carreira de atriz Beth sempre uniu o poema ao seu teatro. Daí veio o sonho de criar um circuito onde a poesia pudesse ser celebrada em todas as suas formas: “O Circuito se preocupa com o conteúdo, propõe um debate em torno da poesia; Não é um sarau”, nos conta a atriz que além de arte educadora é também pesquisadora, diretora e dramaturga. E como Beth chegou até Realengo? Foi através de sua amiga Martha Nogueira, criadora e diretora do Centro de Memória de Realengo e atualmente diretora da Escola Municipal Coronel Corsino do Amarante. Martha, que foi aluna de Beth no projeto  Poesia em Cena, propôs à amiga que nos 199 anos de Realengo levasse o projeto embrionário do Circuito ao bairro. O evento aconteceu em um único dia.  Ali Beth assumiu o compromisso de retornar em 2015 para mais uma vez realizar o circuito para celebrar os 200 anos. Ela foi se apaixonando pelo bairro e por todas as possibilidades artísticas que ele oferece. Logo sua paixão foi cativando artistas do bairro para se juntar à causa: “Um exército de Brancaleones se juntou a mim para realizar o Circuito”, afirma. Quantos patrocinadores, colaboradores financeiros então apoiando esta iniciativa?  Nenhum! Todas as despesas do Circuito saem do bolso da própria Beth Araujo. Ela é rica? Não, é apenas uma pessoa apaixonada pelo que faz e comprometida com sua arte. “Posso não ter apoio financeiro, mas tenho ótimas pessoas que foram se juntando ao projeto porque acreditaram; é quando se dá a magia do encontro, diz”.

bethcircuito1 bethcircuito2

 

 

 

 

 

 

 

Apenas imbuída do desejo de prestar uma homenagem ao nosso bairro através da arte Beth conseguiu para o Circuito a parceria com o Colégio  Pedro II cujo teatro abrigará as apresentações artísticas , da Universidade Castelo Branco, onde acontecerão mesas literárias, O IX Batalhão do Exército, onde será lançado o selo comemorativo dos 200 anos. Nas seguintes escolas acontecerão atividades culturais durante o mês de Outubro: Solano Trindade, Coronel Corsino do Amarante, Frei Veloso e Professor Henrique Saldanha. A escola Clementino Fraga trará um ao bairro um trabalho sobre a valorização da identidade das crianças.

     No vocabulário de Beth Araujo não existe a palavra dificuldade; para ela é um prazer realizar e sempre soube que teria um ônus a pagar. “A falta de apoio financeiro, patrocínio não me faz choramingar pelos cantos, pelo contrário; não vejo como fardo algo que é meu sonho”, afirma Beth em uma  declaração de amor à Realengo e à arte.

Visitem a Fan Page do Circuito Itinerante de poesia.

 https://www.facebook.com/circuitoitinerantedepoesia?notif_t=page_fan

Darlan de Andrade (ex-morador da vila Vintén) fez esta poesia em homenagem ao Circuito de poesia.

 POEMA DE DARLAN PARA O CIRCUITO DE POESIA.

O RIO RE LÊ REALENGO

REALENGO DE REALEZAS

Beth e Darlan de Andrade foto: Luiz Fortes

Beth e Darlan de Andrade foto: Luiz Fortes

REALENGO VELHO,

DUZENTAS LEMBRANÇAS

REALENGAS

DO RADIO DE PILHA

BANDEIRA COM VACA

TERRA BATIDA

MORRO, FAVELAS E PRAÇAS.

O RIO RELENDO REALENGO

NOS PASSOS, NO TREM, NO ABRAÇO

NO CIRCUITO DE POESIA.

DARLAN DE ANDRADE.

 


 

Esta matéria foi produzida por nosso colaborador  Carlos Maia

Carlos Maia

Carlos Maia

Ator, jornalista, agitador cultural, diretor cinematográfico,

morador da rua Frei Miguel no lado Sul de Realengo

visitem seu blog : http://omundomaia.blogspot.com.br/

Na camaradagem e na amizade se faz boa música

Na camaradagem e na amizade se faz boa música em Realengo.

O compositor e contrabaixista Fabio Gomes nos fala das alegrias e dificuldades de  uma banda do nosso bairro

Por Carlos Maia

 

Fábio Gomes

Fábio Gomes

      “Palmo Deu é samba funk made in Cohab de Realengo, feito com muito suor, pouquíssima grana, mas com muito amor!”  

 Fabio Gomes     

 

 

Realengo é um caldeirão cultural. Em nosso bairro temos artistas plásticos, atores, bailarinos, agitadores culturais e claro, uma enorme variedade musical. E por falar em música agora conheceremos uma banda nascida nos conjuntos da COHAB: Palmo Deu, através de um dos seus membros, o compositor e contrabaixista Fabio Gomes que nos recebeu em sua casa.

palmoDeu 03

Segundo Fabio o nome da banda faz referência a uma brincadeira infantil bem conhecida nos subúrbios cariocas: o jogo de bola de gude.   A formação de Palmo Deu conta com Fábio Gomes, Marcelo França, Jader Sideral, Eliseu Fiuza, Sandro Vieira, Vagner Lopes, Alexandre landy. Como eles são filhos de Realengo e o bairro viu o nascimento de Palmo Deu, os integrantes fazem questão que o lançamento do disco seja em Realengo: “Já tivemos oportunidade de fazer o show fora do bairro, mas não faria sentido devido a nossa história”,  nos conta Fabio que faz um trabalho incansável de divulgação dos trabalhos pela internet.

palmoDeu 02   As canções da banda, que falam do cotidiano e dos anseios comuns a todos nós, encantam o público e a banda faz sucesso por onde se apresenta. Apesar disso Fabio nos diz que Palmo Deu enfrenta as dificuldades inerentes a todos os artistas que não fazem parte do esquema da grande mídia – Os custos do CD foram divididos entre os próprios integrantes: “Todos chegaram juntos com uma grana, doando seu tempo, tudo na camaradagem, amizade,” afirma.

       Um dos obstáculos que a banda e todos os que vivem da música  encontram, segundo Fabio é o monopólio do funk e do pagode alimentado pelas casas de show da Zona Oeste em detrimento de outros estilos: “As pessoas absorvem o que escutam”.  Outra dificuldade é a desvalorização do músico, que recebe muito pouco pelo seu trabalho e não vê o retorno financeiro de todo o investimento que faz na carreira. Mas nada disso abala o Fabio que sempre transmite uma esperança, otimismo e garra.

Vejam aqui uma de suas obras.

        E as referências musicais de Fabio e sua galera? Carlos da Fé (Seria uma honra tê-lo no nosso show, diz Fabio),  Jorge Benjor, Hyldon, a banda Black Rio (formação original), Copa 7, Serginho Meriti, black music, Tim Maia.

         Quer conferir mais do Palmo Deu? Aguardemos o show que está previsto para acontecer no Espaço Cultural Arlindo Cruz ainda este ano. Quando a banda souber a data divulgaremos aqui. Vida longa ao Palmo Deu e a todas as manifestações musicais de Realengo!


Carlos Maia

Carlos Maia

Carlos Maia (colaborador do Jornal Realengo em pauta e do blog pro Realengo)

Jornalista, Ator, Bailarino, Cineasta( Roteirista e diretor dos documentários “Estação Realengo”, e “O Que Você Tem na Cabeça?”)

Morador da rua Frei Miguel no Lado Sul de Realengo.

visitem seu blog:  http://omundomaia.blogspot.com.br/

#realengo200anos real engo200

Parque de Realengo Verde ou Residencial Realengo Verde?

Parque de Realengo Verde ou ResidencialRealengo Verde?

parqxcond  28

EXCLUSIVO

 

 

 

 

 

O que está por trás desta batalha por um terreno de 142.000 m². O Blog Pró-Realengo e o Jornal Realengo em Pauta foram em busca de mais informações para nossos leitores. E preparamos este verdadeiro Raio X sobre o assunto.

parqxcond  34

Consultamos ambas as partes para mostrar aos nossos leitores todos os detalhes e que tirem suas conclusões do que será melhor para o nosso bairro. (foto) De um lado o Movimento popular o “Realengo Que Queremos”, amparado por mais de 7.500 assinaturas de moradores e do outro a FHE (Fundação Habitacional do Exército) que é ligada a POUPEX (Associação de Poupança e Empréstimo do Exército).

Resgate da História:

No passado esta área foi uma fabrica de Cartuchos que atendia ao Exercito Brasileiro e onde muitos Realenguenses trabalharam por muitos e muitos anos e era dividida em Áreas que hoje após a desativação da mesma foram sendo gradativamente ocupadas. 1) Em 1983 surge o Condomínio Parque Real (o 1º da FHE/POUPEX), 2) Em 2004 é inaugurado o colégio Pedro II, (fruto de uma longa luta do Movimento popular “Pró-Escola Técnica”.) 3) Em 2006 surge o IFRJ – Instituto Federal do Rio de Janeiro (ocupando parte deste terreno que agora está nesta disputa) Podemos citar ainda outras áreas do Exército que foram ”negociadas para outros fins: Uma é onde se encontra boa parte do Supermercado Guanabara e outra onde era a Escola de Equitação do Exército (em frente à Esquina do Bacalhau ao lado do Novo Viaduto onde volta e meia se monta Circos e Parques. Vale ressaltar que a venda deste terreno especificamente foi anteriormente destinado a construção do Hospital Escola-Maternidade, determinado em projetos de leis), mas a concretização da venda se deu de maneira duvidosa e surgiram entraves judiciais que impedem pelo menos por enquanto a construção de algo no terreno. E este agora que após a sua desativação ficou por 40 anos abandonado servindo para proliferação de mosquitos e refugio para drogados e meliantes, também flagramos carros abandonados e incendiados.

parqxcond  06 parqxcond  02 parqxcond  09 parqxcond  01 Houve também um caso de tortura pelos militares neste espaço contra usuários de drogas. O então Vereador Rubens Andrade criou leis que tombavam e destinavam o local para a pratica de ensino e cultura, o que se pode constatar com a implantação do Colégio Pedro II /Realengo uma feliz realidade para nosso bairro e toda a região. E há muito tempo atrás em uma das pesquisas anuais do blog Pró-Realengo o leitor Flávio Aguiar, sugeriu que o terreno fosse transformado em um parque publico onde os moradores pudessem caminhar e passear já que temos poucas opções de lazer.

parqxcond  04 parqxcond  05 parqxcond  07

O tempo passou e surge este Movimento popular com a ideia de um Parque onde Cultura e Lazer andassem de braços dados. E por diversos meses reuniões foram realizadas onde cada participante foi contribuindo com sugestões e órgãos oficiais mostrando interesse em estar junto e contribuir com outras coisas de interesse da população, tais como a vinda da UNIRIO, do Instituto Nacional de Cardiologia do Instituto Benjamin Constant além da Ampliação do já instalado IFRJ – Instituto Federal de Educação que deseja parte do local para poder ampliar e implantar o Curso de Educação Física.

parqxcond  03 parqxcond  02

O Movimento “ O Realengo Que Queremos” , vem ao longo dos anos costurando apoio e solicitando a diversos representantes governamentais de todas as esferas, para que se sensibilizem com esta causa, que seria benéfica não só para Realengo mas sim para toda a Zona Oeste e por que não dizer para o próprio Rio de Janeiro. Mas a FHE também se mostrou interessada em utilizar o terreno para construir um condomínio de moradias voltado para militares e dependendo do volume da demanda, também abrir para civis como foi feito no Parque Real, esta Fundação é amparada financeiramente pela POUPEX, um órgão previdenciário de propriedade de cinco sócios e que captam recursos junto a militares e ou funcionários civis do exercito com descontos em folha de pagamento e posterior resgate para uma aposentadoria tranquila, e para isso precisa investir e obter lucros. E neste meio tempo alguns pontos devem ser destacados: O Movimento informa que promove reuniões periódicas, aberta ao publico, pois o interesse é comum para toda a população, e neles organizam diversas atividades para mostrar cada vez mais a população o projeto de um Parque ecológico com diversas outras funções. Já ocorreu um Abraço, simbólico, uma passeata em todo seu entorno com carro de som diversas atividades culturais que chamam de Ponto de Cultura. e divulgam seu face.

Por sua vez a FHE que ainda não colocou a Placa anunciando a obra (que deve constar a área construída, o investimento, o numero de unidades etc.) oficialmente, vem sub-utilizando o terreno em conjunto com a Foz Aguas 5, que vem despejando o material utilizado nas obras da rede de esgoto que vem sendo implantando em toda a Zona Oeste, este despejo/retirada vem trazendo enormes prejuízos ambientais o quais o movimento popular denunciou a Secretaria Municipal de meio Ambiente, que notificou a Empresa e aos responsáveis pelo terreno, mas foi proibida de entrar no local (vejam fotos dos representantes do governo tendo de vistoriar por cima do muro).

parqxcond  17

Comissão vai a Secretaria do Meio Ambiente Municipal.

parqxcond  08

Membros da Secretaria Munic. do Meio-Ambiente são barrados e fizeram a vistoria pelo muro.

O Sr. Marcos um dos membros do movimento, se mostra revoltado com esta atitude arrogante do Exercito de barrar o poder publico, ou seja fazem o que querem passando por cima de leis, isto precisa ter fim diz ele.

parqxcond  18

Na Secretaria de urbanismo mais informações importantes.

Nesta área atualmente, não estão prevista construções, por não fazer parte do Zoneamento Urbano, conforme uma comissão constatou em visita a Prefeitura do Rio de Janeiro, e na ocasião foi mostrado mapas e documentos, que comprovam isso. Em 1983 a FHE adquiriu parte da área da antiga fabrica de Cartuchos e construiu o primeiro empreendimento que também era destinado somente a militares e já na época não conseguiu adesão de todos para a revenda isto com menos de 600 unidades habitacionais Reproduzimos aqui o RGI (Registro Geral de Imóveis) onde consta os baixos valores da transação e menciona uma ação na justiça.

parqxcond  30

RGI do terreno.

parqxcond  31

parqxcond  29

parqxcond  33

Valores negociados são incompatíveis com o mercado.

parqxcond  32

consta no RGI que a área está sob-Judice.

A transação imobiliária realmente existe e isso fica comprovado com o RGI em nosso poder e aqui na antiga Área 3 da Fabrica de Cartuchos em que o Exército/UNIÃO responsável pelo terreno negocia o espaço de “142.848,26m²” pelo valor irrisório de R$ 5.100.000,00 (Cinco milhões e cem mil reais) em permuta de terreno com outro imóvel de endereço não mencionado no RGI e obras ainda a serem definidas.

Conversamos com alguns corretores do bairro sobre o valor desta área e acharam um “Negócio da China”, pois sai a R$ 35,70 (trinta e cinco reais e noventa e seus reais) o metro quadrado ou seja a UNIÂO chamada BRASIL / Patria Mãe foi verdadeiramente uma mãe nesta transação. Numa rápida consulta no site G1 encontramos valores bem diferentes…

“Os bairros da Pavuna e Guadalupe, na Zona Norte, e Bangu, na Zona Oeste, apresentaram o menor preço do metro quadrado, segundo o FipeZap, com R$ 2.284, R$ 2.670 e R$ 2.751, “

Ou seja se pelo valor mínimo R$ 2.284,00 multiplicado pelo tamanho 142.848,26m² do terreno, chegaríamos ao valor mínimo que a transação deveria ter: R$ 326.265.425,84 (Trezentos e vinte e seis milhões, duzentos e sessenta e cinco mil, quatrocentos e vinte e cinco reais e oitenta e quatro centavos).

***************************************

parqxcond  27

O Movimento Popular “O Realengo que Queremos” mostrou o projeto e colheu assinaturas de diversos políticos de todas as Esferas. Este projeto foi mostrado por diversos membros ou simpatizantes do Movimento, para políticos que se mostraram interessados e animados com a possibilidade da Zona Oeste ter algo tão grandioso e possível de se realizar. (Luiz Carlos Ramos, Jorge Bittar, Secretario de Esporte, Marcos Antônio Cabral, Dep. Federal Luiz Sérgio, Senador Edson Santos.

parqxcond  21

Luiz Carlos Ramos e Francisco Trindade recebem das mãos de Dr. Mario de Almeida.

parqxcond  20

OAB Bangu apoia.

parqxcond  16

Deputado Federal Luiz Sergio veio ouvir as propostas.

parqxcond  15

Rogério Bittar recebe o projeto.

parqxcond  13

Senador Edson Santos veio ver de perto o assunto.

parqxcond  14

Marco Antonio Cabral fez questão de participar do abaixo assinado.

parqxcond  12

O Senador Edson Santos mesmo a noite foi ao local.

parqxcond  11

Pedro Paulo, Chefe da Casa Civil do Município gostou da ideia.

parqxcond  10

Pedro Paulo (Casas Civil) , José Marcelo Zacchi (Casa Fluminense) recebem de Guilherme Oliveira o projeto com detalhes.

 

Pesquisando no site da FHE/POUPEX encontramos o seguinte:

parqxcond  26 parqxcond  25 parqxcond  24

http://www.fhe.org.br/empreendimentos/residencialrealenoverde/ResidencialRealengoVerde.asp

CARACTERISTICAS: O Residencial Realengo Verde será um complexo habitacional que contará com áreas públicas para edificação de escola, creche, comércio e parque urbano com espaço de lazer que irá gerar empregos e mais qualidade de vida para a comunidade da região de Realengo, no Rio de Janeiro/RJ.

SOBRE Plantas, Acompanhe a obra e Vendas a mensagem é a seguinte:

O Residencial Realengo Verde está aguardando o remanejamento patrimonial do Exército Brasileiro para a FHE.

parqxcond  22parqxcond  23

O Jornal Realengo em Pauta e o Blog Pro Realengo solicitaram por e-mail alguns esclarecimentos sobre o empreendimento a Assessoria de Imprensa da FHE.

Em resposta às perguntas formuladas por V.Sª. no e-mail abaixo, a Fundação Habitacional do Exército informa o seguinte:

1) O empreendimento imobiliário é voltado somente para militares?

R: Sim. As unidades residenciais do empreendimento Realengo Verde serão oferecidas, inicialmente, aos militares das Forças Armadas, para aquisição. As unidades remanescentes podem ser ofertadas ao público em geral.

2 ) Quantas unidades habitacionais serão construídas?

R: O anteprojeto prevê mais de 1.000 unidades, a serem construídas em 5 fases consecutivas ao longo dos anos.

3) O que será feito com as casas no entorno da rua General Sezefredo?

R: As casas serão demolidas.

4) Quais providencias serão dadas à rua Pedro Gomes, da qual recebemos inúmeras reclamações dos moradores sobre as enchentes que ocorrem no local?

R: A FHE, com a implantação do empreendimento Realengo Verde, buscará contribuir com os órgãos competentes para resolver os problemas de infraestrutura que afetam o local .

Atenção: Todo este conteúdo só poderá ser publicado nos sites do Pró-Reale ngo e Jornal Realengo em Pauta, não podendo ser reproduzido em nenhum outro, conforme acordo entre as partes.

Escritora do Jardim Novo, lança livro na 17ª Bienal.

Carminha Morais, nossa escritora do jardim Novo estará participando da 17ª Bienal do Livro onde na ocasião estará lançando o seu novo livro. bienal carminha 2bienal carminha 4

 

 

 

 

Será no dia 7 de setembro, e temos o orgulho de convidar a todos para prestigiar nossa amiga que tanto tem dado orgulho ao nosso bairro.

Lá ela estará de olho em você!bienal carminha 1bienal carminha 3

Seminário da Casa Fluminense

4º Fórum Rio por Vitor MihessenVitor TV Brasil 1.1

Sou Vitor Mihessen, sou de Realengo, sou formado em Economia pela UFRJ e mestre pela UFF. Minha linha de pesquisa na academia trata de problemas que eu vivi desde os tempos de escola e que, apesar de descobrir bem depois, fazem parte de uma problemática muito famosa atualmente, chamada Mobilidade Urbana.

Eu e muitos do conjunto dos territórios que compõem a metrópole do Rio de Janeiro, precisamos nos deslocar por muitas horas para estudar/trabalhar, em uma batalha diária.

IMG_9276IMG_9261Foram três seminários de desenvolvimento local que abordaram: I)Panorama dos indicadores socioeconômicos oficiais sobre o território da AP5, apresentados por mim mesmo; II) boas práticas no campo da segurança pública em favelas apresentadas pela Eliana Sousa, do Redes da Maré e, por fim,III) exemplos de campanhas de mobilização social através da internet, com Guilherme Pimentel, da ONG Meu Rio.IMG_9280

E as salas do colégio Stuart Angel deram início às discussões, que versaram sobre os temas: Segurança Pública, Mobilidade Urbana, Cultura, Juventude e Crise Hídrica.

Fui mediador e palestrante do tema Mobilidade Urbana. Nossas parceiras convidadas foram a Clarisse Linke do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento, ITDP-Brasil, e a Ana Gabriela Ribeiro, do Coletivo Campo Grande, com a campanha #onibusmepega, que provoca as autoridades públicas a fiscalizarem a atuação das empresas de ônibus do município, sobretudo quanto à oferta e a qualidade das linhas que atendem (ou deveriam atender) a região.

Dei início com alguns pontos da minha pesquisa. De como a mobilidade urbana atinge a todos diariamente, já que os serviços de transporte são vitais para que outras atividades se desenvolvam, seja trabalho, estudo ou lazer. Para quem demora uma hora e meia se deslocando por dia, ao fim do ano passou um mês inteiro em trânsito. A depender do modal e do horário utilizados, são, de fato, tempos perdidos.IMG_9350 IMG_9344

Só na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ), um milhão de pessoas são atingidas todo ano. Outro dado alarmante é que aproximadamente dois milhões de pessoas de todas as partes se dirigem ao Centro da cidade do Rio todos os dias, o que comprova que há concentração do emprego, das oportunidades de estudo e também lazer.

Outra questão, levantada pela Clarisse, são os baixos investimentos em transporte público, em contrapartida com os diversos incentivos dados para o uso de automóveis, tema abordado na Lei Nacional de Mobilidade Urbana. A diretora do ITDP-Brasil defende ainda, que seja posta em prática a cultura do uso misto dos territórios, planejando a cidade para que os bairros e as vizinhanças sejam lugares que, desenvolvidos a partir da estrutura viária já existente, ofereçam oportunidades de trabalho, estudo e arte para seus moradores. Este modelo permitiria que modos de deslocamento saudáveis e menos poluentes fossem utilizados prioritariamente.IMG_9317

A estudante Ana Gabriela Ribeiro, falou como moradora e como ativista do coletivo que expõe a indignação com o sistema de transportes da Zona Oeste, ou melhor, com a ausência de um sistema, propriamente dito, integrado e sem falhas na operação. Argumentou que as pessoas que têm direito à gratuidade na tarifa são preteridas pelos condutores e deixadas nos pontos para longas esperas, o que representa um desgaste a mais para estes usuários. Sem contar que algumas linhas possuem horário reduzido de operação, o que impede que as pessoas cheguem em casa depois de determinada hora, às vezes optando pela informalidade, seja no transporte alternativo, seja no mercado de trabalho ou até mesmo no desestímulo à procura de boas oportunidades.

A esperança da Casa Fluminense e de todos nós, moradores de uma das metrópoles mais desiguais do mundo, é de que as mobilizações se multipliquem, de variadas formas, para que possamos cada vez mais ver garantido um direito fundamental para a democracia, que é o de participar das decisões feitas nos territórios e definir suas agendas prioritárias.Acredito que esta metodologia serve para dizer que quem tem de dizer o que é melhor para seus bairros, e cidades e regiões metropolitanas são os próprios moradores, ninguém mais.

IMG_9304 IMG_9296 IMG_9280

Abertura do Show

  Abertura do Show

Na abertura do Tributo apresentou-se um grupo denominado Projeto 1 Som, cujo líder, o baterista Jonatas Freitas, mencionou que a finalidade do seu trabalho era musicalizar a nosa área e incentivar a música instrumental. As três músicas apresentadas são de autoria do Jonatas, coisa difícil de acontecer já que os bateristas são músicos mais de base de JAZZ 10acompanhamento, no passado chamado de cozina (baixo, bateria, guitarra e teclado). No show parecia que os líderes não seguiram esta linha, pois a bateria ficou em evidência na frente do palco. No passado mesmo os bateristas líderes de grupos colocavam a bateria atrás dos sopros, junto com os demais instrumentos de acompanhamento. Hoje com toda tecnologia não vejo necessidade da bateria ficar na frente. Um som bem equalizado descarta de colocar a bateria em destaque.

As músicas apresentadas foram: A História, Flood e Destino como citei acima todas de autoria do Jonatas.

O Grupo formado por:  Jemuel Silva – Guitarra; Davi Henrique – baixo; Filipe Martins – teclado e Jonatas Freitas – bateria.

A globalização não poderia deixar de estar representada na música. Hoje qualquer música instrumental que tenha improvisação é denominada jazz. Havia uma preocupação no passado, mesmo no free jazz, que houvesse uma introdução no tema, geralmente um standard (música popular conhecida) ou uma música de autoria de músicos que fizeram grande sucesso, isto facilitava os iniciantes no jazz a assimilar melhor os improvisos. Não sou saudosista, mas creio que mesmo as feras como Eric Dolphy, Ornete Coleman e outros se preocupavam com isto, mesmo tocando free jazz. Rotular o jazz confunde o ouvinte iniciante e hoje existe pouca gente tocando o verdadeiro jazz. A nossa sociedade é obrigada a engolir o lixo divulgado nas nossas emissoras de rádio e televisão e, também, não têm o hábito de frequentar ambiente com esta modalidade de música, assim acredito que o grupo está no caminho certo.

Apresentação do Victor Bertrami

Conversei com ele antes do show e ele resolveu apresentar o grupo, inclusive os músicos. Vale a pena ressaltar a presença do baterista, cria da Zona Oeste, Robertinho Silva que veio abrilhantar ainda mais a apresentação do grupo. Segundo o líder do grupo as músicar apresentadas faziam parte do CD recentemente lançado com as participações especiais do Robertinho Silva, Ney Conceição, Vitor Biglione e Leonardo Amuedo.

Não poderia deixar de comentar a participação do saxofonista e co-produtor do evento Jefferson Rino com apenas 16 anos, capaz de encarar um desafio deste como um bom exemplo para nossa juventude.

Grupo Victor Bertrami – Bateria; Humberto Lescowitich – Baixo; Natam Gomirabelli – Guitarra e partipação especial de Robertinho Silva.JAZZ 09

Tributo a José Roberto Bertrami

Tributo a José Roberto Bertrami

JAZZ 01

Jamais poderia imaginar que pudesse ser criado um espaço cultural na Estação de Realengo, já que a Secretaria de Cultura passa longe da Zona Oeste. Fiquei gratificado por ser convidado para apresentação do Evento. Cria de Realengo, cheguei aqui com 1 ano de idade e saí com 26. Vivi a glória deste bairro. Aqui existiam vários espaços de lazer como clubes, praças, quadras de esporte, cinema e vários campos de futebol. Fico triste em chegar em Realengo e ver o descaso da prefeitura em melhorar o acesso à cultura e lazer.

Realengo foi o bairro em que existia mais jazófilos das Zona Norte e Rural (atual Zona Oeste) do Subúrbio da Central. Naquela época era muito difícil comprar discos e, também, a mídia já divulgava mais o lixo do que a qualidade, apesar de existir emissoras que JAZZ 02tinham programas de Jazz e Clássico para os mais exigentes ouvirem música de qualidade. O fato de Realengo ser o local onde tinham mais fãs de Jazz foi reconhecido pelos próprios músicos que vinham tocar e ouvir música de jazz importada dos EUA. Os moradores que tinham mais discos eram: Zé Russo, os irmãos Louzada (Orlando e Osvaldo), Félix, Jaime Duque Estrada, os irmãos Paulo (Juarez e Heleno) e Nininho em Bangu. Na casa dos Louzadas existia um piano sem calda, um som mono de altíssima qualidade e uma discotena excepcional. Vinham músicos até de Copacabana para tocar nos finais de semana. No Studio do Zé Russo e do Osvaldo Louzada eles montavam e consertavam som e nos fundos da loja existia uma sala acústica onde os músicos ensaiavam e tocavam.JAZZ 05

Hoje com a facilidade que tem na Internet o acesso ao jazz tradicional e contemporâneo é muito fácil. Basta entrar numa ferramenta de busca e estará diante do músico de sua preferência, sem contar com o Deezer, Itunes e Jazz rádio que tem jazz para todos os gostos. Vale a pena resaltar que com todas estas facilidaes os músicos ouvem pouco e estudam também pouca música, acreditam mais no seu virtuosimo do que na técnica. É um mal que atinge a nossa sociedade que também não gosta de ler. Quem não lê, não ouve, não estuda e não pode ser um bom músico.

José Roberto Bertrami

Fez sucesso com a música Linha do Horizonte com o grupo Azumuth. Com mais de quarenta anos de carreira, lançou 27 trabalhos, entre LPs e CDs com este grupo. Em Portugal, teve quatro compactos duplos que foram lançados na época da Jovem Guarda.

Pela vendagem dos discos, recebeu vários prêmios e troféus importantes do cenário artístico brasileiro. Participou de vários programas de televisão no eixo RioSão Paulo. Além disso, foi muito aplaudido em shows realizados na Colômbia e no Paraguai. Viveu seus últimos anos de vida na cidade do Rio de Janeiro.

Azymuth é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro por três conhecidos músicos de estúdio que acompanharam diversos artistas de sucesso da música popular brasileira na década de 1970: José Roberto Bertrami, Alex Malheiros e Ivan Conti. Obtiveram moderado sucesso com sua carreira no Brasil até se mudarem para os Estados Unidos e iniciar uma carreira internacional longa, eclética e de sucesso durante os anos 80. Após problemas no início da década seguinte, voltam a boa forma a partir da segunda metade da década, impulsionados pelo estouro do Acid Jazz e um renovado interesse pelo seu trabalho, assinando com a gravadora inglesa Far Out Recordings. Em 2012, com a morte do tecladista Bertrami, o grupo continuou suas atividades com Fernando Moraes em seu lugar.

Suas músicas são majoritariamente instrumentais, variando desde o samba até o funk, numa espécie de jazz fusion, constituindo-se num estilo chamado pelos integrantes de “samba doido”.[1] [2] Seus principais sucessos são “Linha do Horizonte”, “Melô da Cuíca” e “Voo sobre o Horizonte” – no Brasil -, além do grande sucesso internacional “Jazz Carnival”.

Wikipedia.com

Victor Berttrami

Release: http://www.victorbertrami.com/#!release/c161y

 

Victor Bertrami é Baterista renomado no Rio de Janeiro, já tocou com grandes artistas da MPB e música instrumental como: João Nogueira, Leila Pinheiro, Elza Soares, João Donato, Danilo Caymmi, Toninho Horta, Leo Gandelman, entre outros. Nascido em família de músicos é filho do grande pianista, compositor e arranjador José Roberto Bertrami (1946-2012) líder do mitológico grupo brasileiro de jazz fusion e sambalanço; AZYMUTE, grupo que fez sucesso durante quatro décadas, apresentando-se em todo mundo.

Victor gravou ao vivo uma merecida homenagem a seu pai, que resultou no seu primeiro CD solo intitulado “Similar, a obra de José Roberto Bertrami”. O talentoso baterista capturou com perfeição o espírito das composições acertando no suingue, em tributo emocionante. O CD está sendo lançado pela Rob Digital e inclui composições consagradas do maestro como “Last Summer in Rio” e “Partido Alto 3”, grandes temas que ganharam novos arranjos e participações especiais de Robertinho Silva, Ney Conceição, Victor Biglione e Leonardo Amuedo.

Por Heleno Getúlio Paulo