A ditadura não acabou para uma parte do Brasil

Repressão, tortura, violação dos Direitos Humanos, execuções, abuso de autoridade… Muitos brasileiros acreditam que essas arbitrariedades ficaram restritas ao período da ditadura militar (1964-1985) e até demonstram simpatia e solidariedade pelas vítimas da repressão daquela página infeliz da nossa história, como cantou Chico Buarque, seja lendo livros ou assistindo a inúmeros filmes sobre o tema.* É um capítulo muito recente de nossa história e assunto que desperta várias paixões – uns se posicionam contra e também há os que são a  favor (e alguns pedem até a volta do regime).

 

Infelizmente toda aquela violência não ficou restrita aos presos políticos; foi exercida praticamente ao longo de toda a história do Brasil contra os mais pobres e infelizmente ainda hoje faz parte do cotidiano de milhões de brasileiros.

Como acontecia naqueles tempos, muitos hoje ignoram ou escolhem não ver ou se importar com as atrocidades que acontecem em nossas favelas, comunidades pobres em geral e presídios. Conceitos como pacificação, intervenção militar, remoções, redução da maioridade penal servem para camuflar e vender melhor para a sociedade uma política que há tempos extermina nosso povo e escolhe como vítima preferencial jovens negros e pobres das periferias do nosso país.

 

Se esses crimes existem – em parte é por cumplicidade de uma parcela significativa da sociedade, inclusive entre os pobres; alguns por ignorância e também há aqueles totalmente conscientes da escolha que fizeram. O que fazer para mudar a situação? É um trabalho de formiga que passa pela educação, conscientização da população, entender o que são de verdade os Direitos Humanos e que o acesso à saúde e à educação também são DH fundamentais. Para nossa classe política é importante que continuemos mergulhados na ignorância e vulnerabilidade, mas nem tudo está perdido. Existem inúmeras formas de resistência nas favelas: cidadãos conscientes dos seus direitos que se levanta contra as injustiças. A luta é árdua e às vezes parece não haver luz no fim do túnel, mas olhando para trás muito já foi conquistado. E continuemos na luta por uma sociedade verdadeiramente mais democrática.

 

*Alguns filmes sobre o tema:

Batismo de Sangue

Zuzu Angel

O Que É Isso, Companheiro?

 

CARLOS MAIA

Ator, diretor Cinematográfico

Dançarino, Jornalista…

morador da Rua Frei Miguel

REALENGO 200 ANOS INTEGRAÇÃO ZERO

 

689 cascadura 739 na estrada da cancela 923 ok

REALENGO 200 ANOS INTEGRAÇÃO ZERO

A linha 739 faria a verdadeira integração do bairro de Realengo. Infelizmente isso não ocorre por descaso da AUTO VIAÇÃO BANGU e por falta de fiscalização da SMTR.  Para solucionar este problema basta atender os pedidos dos usuários da linha moradores nos sub-bairros como Batan, Jardim Novo, Barata, além do bairro de Padre Miguel.

 

 

NO INTINERÁRIO ORIGINAL DA

LINHA 739

  7 unidades de saúde:

  1.  Upa De Magalhães Bastos (Localizada No Jardim Novo)
  2. Clínica Da Família Jonh Cribbin
  3. Clínica Da Família Armando Palhares
  4. Upa Realengo
  5. Clinica Família Antônio Gonçalves
  6. Hospital Estadual Albert Schweitzer
  7. Pam Da Bangu – Pam Manoel Guilherme Da Silveira Filho

09 unidades educacionais:

  1.  M. Estado de Israel
  2. Colégio Souza Lima
  3. IFRJ (Instituto Federal do Rio de Janeiro)
  4. E.M. Nicarágua
  5. Colégio Realengo e Faculdade São Jose
  6. Colégio Pedro II
  7. CIEP Tomas Jefferson
  8. E.M. Humberto Castelo Branco
  9. E. M. Corsino do Amarante e Gil Vicente

MOBILIDADE ZERO

Desde de março os moradores da Zona Oeste ficam literalmente a pé. Com o fim das atividades de duas empresas do Consórcio Santa Cruz, 38 linhas pararam a circular. O consórcio providenciou o retorno das linhas após muita reclamação dos usuários, mas o lado mais prejudicado ficou sem suas linhas principais. Enviamos correspondência à SMTR pedindo o retorno de linhas como a 689, 926, 737, 784, 684, 923 e 370. Somente na segunda quinzena o 689 retornou, mas para nossa surpresa o trajeto foi encurtado até somente Cascadura, enquanto o preço continua o mesmo. No fim de maio retornou a linha 926. Mas muito falta além de linhas que não retornaram, como uma melhora das linhas existentes, pois o espaço entre carros é demorado.

resposta da SMTR

Troca de emails com SMTR e Redação do JRP.

Captura de tela 2015-05-25 11.23.50

Emails da Redação

email do realengoempauta para SMTR

solicitações de providências

Captura de tela 2015-05-27 13.36.01

reprodução de monitoramento de onibus.

Captura de tela 2015-05-26 11.25.36

reprodução de monitoramento de onibus.

NÃO SOMOS PALHAÇOS PARA ACHAR GRAÇA

NÃO SOMOS PALHAÇOS PARA ACHAR GRAÇA

 Na esfera federal, no ministério dos transportes vem a tona um esquema de corrupção que é prodigo em beneficiar alguns e prejudicar a população que quer retorno aos impostos que paga. As licitações, ou a falta delas produzem fortunas desmedidas de alguns familiares em detrimento de atuação austera que melhoria em muito nossas atuais estradas, onde vidas são ceifadas todos os dias. Você vê graça nisso? Nem eu.

 Na esfera estadual, vemos uma nova engenharia a dar forma a equipamentos públicos. Os containers das UPA são a cara do moderno projeto. O grande discurso é que a agilidade produz um atendimento digno a população. Tudo isso é desmascarado pela imprensa onde o jornal O Globo prova que os containers são cerca de 25 % mais caros que um prédio de alvenaria. E demoram o mesmo tempo para ficarem prontos. E qual então a razão de se pagar mais caro? Beneficiar o amigo dono da fabrica de containers? Você acha graça nisso? Nem eu.

 Na esfera municipal nos deparamos com noticias de que o dinheiro destinado para obras de reconstrução dos municípios da Serra, que foram devastados pela

Marcelo Queiroz - Morador do Parque Real - lado sul

Marcelo Queiroz – Morador do Parque Real – lado sul

enxurrada no inicio do ano, foram desviados pelos governantes daqueles municípios. E que muita coisa deixou de ser feitas, pois o Superfaturamento das obras foi de mais de 50%, já que tudo foi aprovado sem licitação devido a emergência e nada foi feito, mas os empreiteiros já estão com os bolsos cheios. Você acha graça nisso? Nem eu.

 Nesta coluna apresentei apenas três casos de como o nosso dinheiro vai para os bolsos de alguns em detrimento de muitos. Podemos citar vários casos, mas queremos é criar uma nova atitude daqueles que detém a grande arma que é o voto. Como você tem votado como tem atuado aquele que você colocou no parlamento para te representar. Ele tem enriquecido como você? A renda familiar dele é igual a sua? Ou temos produzido famílias políticas como os Cozolinos, que enriquecem à custa da miséria de uma população como Magé. Você acha graça nisso? Nem eu. Cidadania participativa – todo o poder para o povo, que deve ser exercido a seu beneficio. Política é uma coisa séria.

 

 

O POVO E A MÍDIA

O POVO E A MÍDIA

O ano de 2011 começou com novidades no oriente médio. Mas precisamente no Egito onde uma combinação na dose certa. Um povo oprimido a décadas e uma mídia renovada utilizando a plataforma das redes sociais pois fim a ditadura de 30 anos de Mubarak. Não vamos esquecer que foi preciso ao POVO sair de sua inércia e ir para ruas, mas para isso existiu um movimento da MÍDIA bem articulado para convencer a esse POVO a tomar as praças e até a perder vida para mudar um regime que há 30 anos lhe oprimia.

Também aqui no Brasil, no Rio de Janeiro, na Cidade Maravilhosa e precisamente em Realengo temos novidades. Um jornal que irá ajudar as famílias residentes no bairro a perceber que muita coisa pode ser diferente. Mas não mudará apenas porque temos um jornal, pois também lá no Egito o regime não cairia só pela Mídia pelas redes sociais. O povo teve que ir às praças. Aqui também podemos ir às praças e veremos que muitas estão mal cuidadas. Veremos placas de obras que não perguntaram a nós moradores se eram tão necessárias. Veremos ainda faixas de vários políticos agradecendo a eles mesmo por obras que o dinheiro de impostos que pagamos e que a prefeitura faz em retribuição a quanto que pagamos e olha que o impostômetro anda subindo cada vez mais. Ano que vem teremos eleição para prefeito e vereador e você sabe em quem votou pela ultima vez para vereador, prefeito? Sabe quem foi o vereador que criou a taxa de iluminação que onerou a nossa conta de luz. Votaria nele para lhe representar na próxima eleição?

O Realengo em Pauta será parceiro do povo que quiser mudar o lugar que moramos. Mas para isso os moradores do bairro devem sair da inércia e começar a lutar para melhorias no saneamento do bairro, nos transportes, nas ruas, nos acesso para pessoas com necessidades especiais. Nós vamos mostrar as diferenças entre a cidade da zona sul e da zona oeste. Suburbanos com orgulho sim, mas com muitas carências que cabe ao poder público melhorar e nunca… Nunca… Nunca ser feudo de ninguém. Queremos Ética e Cidadania para Realengo.  Queremos participar dos projetos que são destinados ao nosso bairro. Queremos sim melhorias para Realengo de Norte a Sul. Para Jardim Batan, Jardim Novo, Parque Centenário, Capitão Teixeira, Barata, Av. Santa Cruz, Estrada da Água Branca e Fumacê.

Marcelo Queiroz – Morador do Parque Real – Lado Sul

 

O PERIGO NUCLEAR

O PERIGO NUCLEAR

A coluna Ética e Cidadania programou para as primeiras edições do Realengo em Pauta tópicos relacionados com a municipalidade. Pretendemos tratar aqui questões como lixo, água, transporte e meio ambiente. Nesta edição poderíamos até retratar a tragédia da E.M. Tasso da Silveira. Mas vamos falar sobre um assunto mundial que pode um dia ter acontecimento aqui e gerar uma tragédia sem precedentes.

Acompanhamos pelos meios de comunicação a tragédia no Japão. Um País preparado e acostumado a terremotos devido à sua posição geográfica. A sabedoria milenar desse povo se organizou para enfrentar os desastres ambientais e tinha se saído muito bem até então. Os acontecimentos de 11 de março, quando o Japão foi sacudido por um terremoto e um tsunâmi, demonstraram que as nuances dos chamados acidentes naturais estão alcançando níveis elevados e provocou um risco maior. O acidente nuclear de Fukushima, um complexo de usinas nucleares que ruiu após o tsunâmi e os abalos sísmicos, com a explosão de reatores e vazamentos de água radioativa e que chegam agora (em 10 de abril) a classificação 7 (sete), a mesma de Chernobyl (Ucrânia -1986). Nossos olhos se voltam para Angra dos Reis, cidade litorânea de nosso estado e que abriga o complexo nuclear Almirante Álvaro Alberto, composto de 3 usinas: Angra I com 657 MW funcionando desde 1985, Angra II com 1309 MW funcionando desde 2001 e Angra 3 ainda em construção.

O complexo fica situado na enseada de Itaorna que na linguagem indígena quer dizer “pedra podre” talvez devido às constantes deslizamentos de terra da região.  Estamos longe dos terremotos e tsunamis do Japão, porém quais seriam as conseqüências de uma enxurrada de chuvas como aconteceu na região serrana em fevereiro deste ano, se acontecesse em Itaorna? As nossas autoridades, tendo a Eletronuclear à frente afirmaram que o modelo brasileiro é seguro e que as chances de ocorrer um acidente deste porte é quase nula. Parece que agora somos nós mais preparados que os milenares japoneses. Diziam isso também sobre Chernobyl e Fukushima veio para desmentir isso.

Estamos preparados para um acidente deste porte? Parece que não, pois uma das medidas que ajudaria na evacuação dos moradores do entorno da usina ainda não saiu do papel, trata-se da duplicação da estrada Rio-Santos. Temos que cobrar sim maior atitude e menos discurso sobre os verdadeiros perigos desta forma de gerar energia.

 Marcelo de Queiroz

Edição nº 1: Nova obra para o nosso bairro. (Novo Viaduto de Realengo)

capa do Jornal Realengo em pauta com materia sobre o novo Viaduto de realengo.

Editorial

 O Realengo em Pauta nasce nesse ano de 2011 com o propósito de mostrar o que vem sendo feito de bom em nosso bairro e valorizar o que faz de Realengo um local especial em nossos corações, mas sem nunca se esquecer de criticar e expor ideias construtivas para o seu avanço.

Nosso compromisso vai além da responsabilidade de informar e expor projetos. Propostas culturais, esportivas e filosóficas também farão parte permanente de nossas paginas. Nunca esquecendo a responsabilidade de formar opinião, mantendo o respeito à opinião de todos.

O Realengo em Pauta vem criar um espaço democrático, sendo uma ferramenta para que os moradores conheçam melhor o seu bairro e possam interagir em nossas paginas, com sugestões, opiniões, criticas, etc.

Em nossa primeira edição, retratamos a visita do Prefeito da cidade do Rio de Janeiro, para o lançamento das obras do novo viaduto de Realengo, e postamos a opinião dos moradores do bairro. Na seção Norte Sul “in loco”, damos uma panorâmica das regiões de nosso bairro.

Abrimos espaço em nossas paginas, para um blog que vem se destacando na internet, com um trabalho de incentivar a participação do cidadão, que é o Pró Realengo. Teremos também as colunas Ética e Cidadania e Melhor Idade, além de divulgar a cultura e lazer em Realengo.

Esperamos a sua participação nesse projeto. Boa Leitura.

(por Pedro Henrique Laport)

Coluna:    Realengo  de Norte a Sul, “IN LOCO”.

  •  Os moradores da Rua Pedro Gomes não aguentam mais de tantos alagamentos .Os bueiros novos não adiantam se as tubulações são antigas e estreitas.
  • Moradores da Rua do Imperador na altura da Rua Neponuceno, reclamam que a força da aguá, fornecida pela CEDAE, diminuiu sensivelmente de 5 meses para cá.
  • No Barata moradores sem consciência jogam lixo no Rio Piraquara (perto da nascente) e com isso num futuro bem próximo ele não mais existirá, somente os esgotos a céu aberto será visto.
  • Poste inclinado na Rua do Imperador, vai tombando lentamente (tal a Torre de Pizza), por culpa das obras inacabadas do rio Cidade que tirou a fiação que o ligava e sustentava com a Av. Santa Cruz.
  • Transito: Recebemos diversas reclamações que os motorists de Realengo não respeitam os sinais e ignoram quem quer atravessar perto das ruas Limites e do Governo, em frente da Escola Estado de Israel.
  • Porque o Parque “Ecológico” da Pedra Branca não permitea entrada de bicicletas, que é um meio de transporte ecológico.
  • No Batan jovens podem se inscrever para o projeto Agencia: Redes Para a Juventude. Inscrições até 14/03 – mais detalhes tel: 2507 2909
  • Os sinais de transito na Estr. da Água Branca, volta e meia estão falhando (altura do Supermercado Guanabara)
  • Realengo já conta com uma cooperativa que recolhe óleo de cozinha usado para reciclagem. Email: coop.realrj@gmail.com

___________________________________________

Coluna : ÉTICA E CIDADANIA

 O POVO E A MÍDIA

 O ano de 2011 começou com novidades no oriente médio. Mas precisamente no Egito onde uma combinação na dose certa. Um povo oprimido a décadas e uma mídia renovada utilizando a plataforma das redes sociais pois fim a ditadura de 30 anos de Mubarak.

Não vamos esquecer que foi preciso ao POVO sair de sua inércia e ir para ruas, mas para isso existiu um movimento da MÍDIA bem articulado para convencer a esse POVO a tomar as praças e até a perder vida para mudar um regime que há 30 anos lhe oprimia.

 Também aqui no Brasil, no Rio de Janeiro, na Cidade Maravilhosa e precisamente em Realengo temos novidades. Um jornal que irá ajudar as famílias residentes no bairro a perceber que muita coisa pode ser diferente. Mas não mudará apenas porque temos um jornal, pois também lá no Egito o regime não cairia só pela Mídia pelas redes sociais. O povo teve que ir às praças. Aqui também podemos ir às praças e veremos que muitas estão mal cuidadas. Veremos placas de obras que não perguntaram a nós moradores se eram tão necessárias. Veremos ainda faixas de vários políticos agradecendo a eles mesmo por obras que o dinheiro de impostos que pagamos e que a prefeitura faz em retribuição a quanto que pagamos e olha que o impostômetro anda subindo cada vez mais. Ano que vem teremos eleição para prefeito e vereador e você sabe em quem votou pela ultima vez para vereador, prefeito? Sabe quem foi o vereador que criou a taxa de iluminação que onerou a nossa conta de luz. Votaria nele para lhe representar na próxima eleição?

 O Realengo em Pauta será parceiro do povo que quiser mudar o lugar que moramos. Mas para isso os moradores do bairro devem sair da inércia e começar a lutar para melhorias no saneamento do bairro, nos transportes, nas ruas, nos acesso para pessoas com necessidades especiais. Nós vamos mostrar as diferenças entre a cidade da zona sul e da zona oeste. Suburbanos com orgulho sim, mas com muitas carências que cabe ao poder público melhorar e nunca… Nunca… Nunca ser feudo de ninguém. Queremos Ética e Cidadania para Realengo.  Queremos participar dos projetos que são destinados ao nosso bairro. Queremos sim melhorias para Realengo de Norte a Sul. Para Jardim Batan, Jardim Novo, Parque Centenário, Capitão Teixeira, Barata, Av. Santa Cruz, Estrada da Água Branca e Fumacê.

 Marcelo Queiroz

_________________________________________________

Coluna: Terceira Idade – “ O VOTO INJUSTO “

 Quais serão as consequências de um voto injusto em pleito eleitoral? Ajude-me Deus a Saber.

Agora, que eu atingi a terceira idade, recordo das narrações do meu saudoso pai(*). Ele fora, na sua juventude, deputado e prefeito. Dizia sempre, que cada povo tem o governo que merece. Aprendera, no tempo de sua juventude, a seguir os sermões de Padre Antônio Vieira.

Vieira, num famoso sermão, relatado em Lisboa, no ano de 1650comentava: Que num pleito eleitoral, vota-se em um Governador, em um Senador, em Deputado, e que sucede?

Vota o eleitor no parente, porque é parente; vota no amigo, porque é amigo; vota no recomendado, porque é recomendado, vota vagamente no simpatizante, porque lhe é simpático; e os mais dignos e os mais beneméritos, porque não tem amizade nem parentesco, nem valia, ficam fora.

Agora, quisera eu perguntar ao eleitor que deu este voto, se lhe remordeu a consciência. Homem cego, homem precipitado, sabes o que fazes? Sabes que com isso te escreves réu dos males que fizer?

Oh! Grande miséria. Continua Vieira: Miserável é a República onde há tantos votos; mas os eleitores que neles votaram, são os mais miseráveis de todos. Se o que elegestes furta (não ponhamos em condicional, porque claro está que há de furtar); porque vosso voto foi causa de todos aqueles roubos. Oh! Juventude na nossa geração já dizia também, o ilustre Ruy Barbosa, “De tanto ver crescer as nulidades, o homem chega a desanimar de se honesto”. E afirmava que a justiça deve ser cega, mas também sábia.

Queira Deus que doravante a juventude abra os olhos. Atentai bem, jovens. É vosso futuro o porvir. Não repitam o que não soubemos administrar. A dignidade convive com a honestidade. Abdiquem, enquanto é tempo, da corrupção, que é um flagelo da humanidade.

(*) – Prof. Dr. José Silveira – Professor de línguas, tradutor público e atuou na politica do Ceará sendo Prefeito de Trairi (Cidade Litorânea) nos anos 20 e Deputado estadual nos anos 30.

                                                                            Armando Silveira

                                                                    É morador do bairro a mais de 70 anos.

Novo Viaduto em Realengo               Inauguração do início da Obra

 No dia 10 de fevereiro, o Realengo em Pauta acompanhou a visita do prefeito Eduardo Paes e seu secretário Alexandre Pinto ao nosso bairro para anunciar mais uma obra de sua administração, o NOVO VIADUTO. Num palanque improvisado sobre trilhos de trem, a visita teve o acompanhamento de diversos parlamentares e representantes locais, como o presidente da Associação Comercial de Realengo, Antonio Zaib, com uma pequena presença de moradores.

 Apesar da estrutura montada para a inauguração do inicio de obras, muitas perguntas ficaram sem resposta. A principal delas relativa à desapropriação de imóveis, sobre tudo o Espaço Cultural Jorge Benjor. Também ficou sem resposta a indagação sobre a melhoria no atual viaduto, que passará a funcionar em mão única no sentido Est. Água Branca – Av. Santa Cruz. Segundo o prefeito, a obra deve durar 13 meses, sendo prevista a inauguração para meados do ano 2012.

 Como a obra pouco foi discutida com a população e faz parte de um pacote que se completa com os viadutos de Inhoaíba e de Santíssimo, o Realengo em Pauta constatou neste dia que vários moradores discordam da prioridade da obra, tanto no tocante ao projeto em si, como no objeto de prioridade.

A briga das faixas dos “donos” da obra.

 Toda vez é assim, basta uma nova obra ser anunciada para vários parlamentares pagar para fazerem faixas onde se auto agradecem ao benefício que será trazido para região. Os moradores agradecem a Fulano ou Beltrano a benfeitoria no nosso bairro. Ninguém engana ninguém, pois os moradores estão longe de fazer faixas para agradecer quem muito ganha e pouco trabalha no legislativo. No caso do novo viaduto de Realengo não foi diferente. Foi só o prefeito agendar a inauguração do inicio da obra, para alguns parlamentares espalharem faixas de agradecimento a si mesmo. Teve caso até de político sem mandato querendo faturar o benefício que o bairro certamente terá com essa nova construção.

O engraçado no caso é que existem vários “pais” da obra, mas quando o projeto é para aumentar os encargos pagos para o contribuinte, como por exemplo, a taxa de iluminação pública, que não teve faixas ”agradecendo” ao autor do projeto.

Moradores dão sugestões de alternativas que acreditam sejam mais baratas e eficientes.

Pois infelizmente o poder público decide fazer uma obra, mas não ouvem a opnião dos moradores.

 E o Realengo em Pauta pergunta: De quanto seria a praticidade e economia com estes trajetos alternativos?

Alternativa IUsando a Rua Dr. Lessa.

Venho pessoalmente falando que a Rua Dr. Lessa é uma rua muito larga para ser somente de mão única, faz tempo que dei sugestões para a transformação dela em mão dupla, exatamente para melhorar o fluxo ao viaduto “velho”, e se agora acham que precisamos de um novo viaduto, ótimo então esqueçam a Marechal Soares de Andrea, que é estreita com fluxo já saturado, por ter escolas, comércio e residências, além de que um lado dela serve de estacionamento, sem contar na saída e entrada escolar em que os teimosos da fila dupla ajudam a complicar a já ruim situação. Então voltemos a esta rua larga e parcialmente inútil: Sugiro que na Dr. Lessa, entre a Av. Santa Cruz e a Bernardo de Vasconcelos, comece o acesso ao novo Viaduto, e parcialmente já entre a Praça do Canhão e o Campo do Marte, ele já faça uma pequena inclinação para a direita, ficando em posição reta pra já descer na Mal. Joaquim Inácio, (claro, detalhes técnicos são com os engenheiros).

O trajeto, já em fase de execução, não vai desafogar o trânsito que vem de Sulacap e da Vila Militar, que todos já conhecem e se aborrecem diariamente, pois a Rua Bernardo de Vasconcelos virou o único caminho no lado sul de Realengo, que vai a Padre Miguel, Bangu e já está completamente sufocado. Nesta sugestão alternativa proponho que o acesso ao novo viaduto seja por cima da Bernardo de Vasconcelos, diminuindo sensivelmente este trânsito. E quem viesse da Piraquara, iria até a Goulart de Andrade, contornando o complexo educacional Pedro II. Isso porque a Av. Santa Cruz deixou de ser mão dupla mesmo sendo uma rua que foi preparada no passado para ser ampliada (vejam as calçadas enormes em alguns trechos) com as construções na década de 60, já planejadas afastadas para este fim, mas isso é outro assunto.

Luiz Fortes (mora na Rua do Imperador- Lado Sul) – Luta pela união e progresso do bairro.

Alternativa II  Pela Rua Princesa Imperial direto a Av. Brasil, em mão única.

 Hoje a Zona Oeste vive um momento favorável, mas com cara de esquecimento, pois ainda existe um corredor olímpico pouco falado, a Transolimpica na Grota Funda e a TransOeste, que ligará a Barra com Deodoro.

 Mas hoje em Realengo temos ruas tomadas por desordem. Pegue como exemplo disso a própria Rua Princesa Imperial, que na sua entrada (atrás do Extra – antigo Sendas) já é fechada por um trailer secular, um córrego sem ponte, uma linha de trem, e por fim um rio também sem ponte, beirando a Av. Brasil, mas nossos governantes querem marcos históricos, menosprezando a simplicidade de duas pontes minúsculas sobre dois rios de igual grandeza, e um viaduto semelhante ou menor ao que Realengo já tem, o que economizaria muitos tostões para aplicação em recuperação ou construção de calçamento em passeios cobertos por mato, ou alargamento de vias nos dois lados de Realengo.

Pedro Claudio (Lado Norte)

  

  

DEPOIMENTOS (O Realengo em Pauta solicitou aos moradores opiniões sobre esta obra.) 

 – Você acha prioridade este novo viaduto?

Não, pois o viaduto antigo também precisa de melhoras, e alguns vereadores já estão usando esta obra para fazer campanha para 2012.

Deviam é melhorar os acessos na parte debaixo tanto para entrar na estação, quanto para as pessoas saírem evitando assim aquelas enormes escadarias, pelo menos no lado de acesso do antigo quartel de escola de equitação do exército.

A construção do novo viaduto é necessária, mas tem outras coisas mais simples que a Prefeitura não resolve, como os constantes alagamentos em torno da estação de Realengo quando chove, obrigando as pessoas a colocarem os pés naquela água suja para irem para suas casas, correndo o risco de contrair uma doença.

Cleber Rocha/Cohab/Realengo (Lado Sul) (Briga por melhoria no transporte no blog “Realengo quer transporte”)
__________________________________________________

Eu, como morador do bairro de Realengo, vejo muitos problemas no bairro, que dificultam muito nosso dia a dia, por exemplo: O RIO CATARINO completamente esquecido e todo assoreado, causando inúmeros transtornos a Realengo e bairros vizinhos, com suas inúmeras enchentes parando o trânsito desde antes da Praça do Canhão até o bairro de Padre Miguel, enchendo nossas casas, colégios, hospitais etc.

Esse NOVO VIADUTO, pra mim, como morador, é uma obra importante, embora a gente nunca saiba como é o projeto, ou o desenho, ou leigamente falando, onde vai começar e onde vai acabar. Nos moradores do bairro de Realengo deveríamos ser os primeiros a saber os benefícios que essa obra trará; será que vai ser outro ELEFANTE BRANCO que andam fazendo em nossa cidade? Quem projetou essa obra mora em Realengo? Vai morar? Ou vai passar por aqui pelo bairro? Ou simplesmente fez um belo projeto que foi aprovado e pronto. Quem sabe  do que precisa em um bairro, são os seus moradores , por motivos óbvios. A obra desse NOVO VIADUTO deveria vir também acompanhada com uma nova estrutura de saneamento sanitário, iluminação, tratamento de esgotos, estacionamentos, áreas de lazer, regulagem de semáforos.

E tudo que é possível para uma melhor qualidade de vida para o bairro, seus moradores todos que por aqui passam. ACREDITO SIM NUMA MELHORIA SIGNIFICATIVA PARA REALENGO.

Almir Miranda (Mora na Bernardo de Vasconcelos perto do Rio Catarino – Lado Sul)

 _________________________________________________________

 O viaduto é bem vindo sim, mas ele não é prioritário. O que se necessita no atual viaduto são obras para se melhorar o acesso a pessoas deficientes, pois não existem acessos para pessoas idosas e com problemas de locomoção que permitam o fácil acesso a plataforma, e saídas rápidas na parte baixa de cada plataforma, não havendo porque ir até a parte de cima.
No momento o que se necessita é de uma melhor fiscalização por parte da Guarda Municipal, PM, Sub Prefeitura, Região Administrativa e outros, para acabar com o ponto de moto taxi e Kombi em cima do atual viaduto, que vem causando grandes transtornos a todos os moradores, principalmente na parte da manhã e final da tarde, onde o fluxo é muito maior. Também existe a necessidade, como já aconteceu no passado, de se proibir acesso ao atual viaduto de autos com mais de dois eixos, pois as curvas em 90 graus não permitem autos de grandes proporções, e os acidentes são constantes, e quando não acontecem deixam um rastro de grandes engarrafamentos devido a ficarem empacados. Devem se utilizar do viaduto de Padre Miguel que é reto e não trás maiores problemas.
A prioridade no momento é acabar com uma injustiça causada pelo Rio Cidade, na gestão do Prefeito César Maia, que ao jogar as águas pluviais no já saturado, estreito e raso Rio Catarino, deveriam tê-lo feito para o Rio Piraquara, que é largo, profundo e não saturado. Com isso toda vez que chove a população da imediação deste Rio Catarino fica totalmente transtornada com o volume de águas que é colocado para fora, inundando toda uma região que vai desde a antiga 33ª DP /Comlurb /Gil Vicente, até toda a região da Vila Vintém e ruas adjacências como Marechal Bibiano Costalat, Marechal Modestino, Marechal Barbedo, Marechal Agrícola, Marechal Falcão da Frota, Marechal Marciano, Ruas Petrópolis, Recife, Belém, Manaus e muitas outras que ficam cheias de lama e tudo que advêm deste rio, como doenças e lixo. Isso afeta a mais de 20 mil moradores que sofrem com essa tragédia anunciada toda vez que chove, sem falar o transito que não passa de jeito nenhum, nos dois sentidos, nem para Padre Miguel, em para Magalhães Bastos.
Para se corrigir isso, deveriam fazer um desvio deste Rio Catarino, atrás da Universidade Castelo Branco, direto pela Rua Prof. Venceslau em linha reta até o Rio Piraquara. Não seria uma obra cara, fácil de se fazer e não causaria grandes transtornos, pois é uma rua secundária.

Luiz Carlos Chaves (Mora perto da Praça dos Cadetes –Lado Norte)