Tribunal concede nova perícia para vítima do Massacre de Realengo

Thayane Tavares Monteiro com Xuxa Meneghel

João Tancredo, advogado da estudante Thayane Tavares Monteiro, umas vítimas que sobreviveu ao massacre na escola Tasso da Silveira, em Realengo, conseguiu reverter a decisão da juíza Fernanda Rosado de Souza, da 3ª Vara da Fazenda Pública, que havia negado o pedido de perícia para identificar todas necessidades da menina, causada pelo incidente, como a perda do movimento das pernas após ser baleada na tragédia de 7 de abril de 2011.

Segundo o advogado, a decisão do desembargador Adolpho Andrade Mello, da 9ª Câmara Cível, reformando a sentença da juíza, foi justa. A magistrada havia achado desnecessária a perícia, uma vez que caso o acordo não fosse cumprido a família poderia entrar em contato com a Prefeitura ou ir ao Juizado Especial. “Essa decisão tinha sido totalmente inaceitável, uma vez que sabemos a morosidade da nossa Justiça. As necessidades da Thayane são para agora e não para daqui a três meses ou mais”, afirmou Tancredo.

Na época do ocorrido, foi decidido que a Prefeitura ficaria responsável pelos cuidados com a estudante, mas a instituição deixou de fornecer os medicamentos e tratamentos. Por conta deste acordo não estar sendo cumprido, o advogado entrou com uma ação solicitando a perícia para, assim, cobrar o suporte do município. “A chacina em si já foi um acontecimento terrível para todos os estudantes, imagina ter que conviver com os reflexos dela por tanto tempo e ainda sem ajuda”, questiona o advogado. Segundo ele, o próximo passo será aguardar o resultado da perícia e, aí sim, reivindicar todos os direitos da vítima.

Fonte: http://paranashop.com.br/2017/05/tribunal-concede-nova-pericia-para-vitima-do-massacre-de-realengo/

 

Justa homenagem aos Anjos de Realengo, mas o local gera controvérsias.

EXCLUSIVOO Jornal Realengo em Pauta e o Blog Pró-Realengo ouviram as mães, os moradores e o poder publico .

As mães pediram a prefeitura esta homenagem através da Associação de pais dos Anjos e a homenagem será inaugurada no dia 20 de setembro (domingo)  as 09 horas da manhã, atrás da Escola Municipal Tasso da Silveira, na praça agora chamada “Anjos da Paz” , esquina das ruas Jornalista Marques Lisboa e Almirante Clemente Pinto.

anjos vizinhos contra anjos estatua 2 anjos praça Anjos

De um lado a Associação sugere uma homenagem, do outro a prefeitura abraça a ideia, e no meio disso tudo o local não foi unanimidade entre nenhuma das partes. nem mesmo dos vizinhos que acham que a prefeitura deveria olhar para o local anteriormente, só lembrou desta praça agora.

Adriana Silveira, presidente da Associação dos Anjos de Realengo, nos faz um relato destes quatro anos de saudade junto com outras mães e parentes, a respeito da luta das mães dos Anjos de Realengo.

É uma luta desigual, mas a luta continua e contamos com o apoio da população que sempre esteve ao nosso lado, e continua mandando uma palavra de conforto uma palavra de carinho e isso tudo nos ajuda a se manter e pé, pois vivemos de altos e baixos e quando uma mãe está mais fraquinha vem outra e ajuda e vice e versa.

Hoje lutamos não mais pelos nossos filhos, mas pelos filhos de nossos amigos e vizinhos por todas as crianças de nosso país. Queremos o direito de botar nossos filhos dentro da escola e ter a certeza de que vamos voltar e pegá-los com vida, pois a situação da segurança das escolas está precária, os vigias e porteiros já foram retirados, ficaram durante três anos e agora todos já foram mandados embora, ou seja foi uma solução temporária.

A Homenagem aos Anjos, em forma de estátua.

anjos estatua 1

E nós estamos pra receber uma homenagem em forma de estátua em tamanho real aqui em Realengo, e já que Realengo está pra fazer 200 anos, que possamos receber este presente, em uma praça digna, uma praça legal, onde nossas crianças possam ir, brincar com segurança. Mas estamos sem local definido, optamos pela Praça Piraquara que é uma praça de fácil acesso a tudo, é bem visível enfim, mas estamos enfrentando o dilema que a nossa prefeitura se recusa a cobrir parte do Rio Piraquara (atualmente o rio a divide). Assim ficaria uma praça única e mais segura, como já foi feito em outro rio no mesmo bairro, portanto é viável; juntamente com uma reforma, pois como hoje está nem podemos chamar de praça e sim logradouro público, tanto as crianças quanto os 200 anos do bairro merecem uma nova praça.

Hoje a gente pede isso à prefeitura do Rio de janeiro, ou mesmo que a iniciativa privada abrace esta causa e adote a praça fazendo as reformas necessárias. E as empresas poderiam se valer de incentivos fiscais.

O Jornal Realengo em Pauta (JRP) e o blog Pró-Realengo (BPR), a convite da presidente da Associação de Pais e Amigos dos Anjos,  Srª. Adriana Silveira encontrou-se com o Chefe de Gabinete do Prefeito, Luiz Henrique David de Sanson, onde foi sugerido que uma pequena parte da Praça Piraquara fosse feita uma cobertura do Rio como foi feito no Rio Catarino, na Rua Luiza Barata, que em sua quase total extensão da rua ele é coberto e constam alguns mobiliários urbanos sobre o mesmo.

No dia 5 de março de 2015 em plena Praça Piraquara,  conversamos com o Sr. David.

anjos praça Reunião Piraquara 2 anjos praça Reunião Piraquara 3 anjos praça Reunião Piraquara

Quando chegamos, o Sr. David já estava conversando com a Srª. Adriana e outras mães.

-A Prefeitura está fazendo 70 Clinicas da Família, 130 escolas, a gente tá fazendo Transolímpica, Transoeste, tem Olimpíada, a gente está num momento de gestão… é complicado não faz sentido nenhum, cobrir um rio pra fazer uma praça dos sonhos, fazer uma praça “Maravilhosa”.

Adriana- interveio : Fazer uma praça decente…

Sr. David: A praça vai ser decente…não há a menor hipótese de se cobrir um rio…Pô, Adriana na boa, cobrir o rio pra fazer uma praça dos sonhos, uma praça maravilhosa, já tenho falando isso a um bom tempo com vocês…

Neste momento o administrador do blog Pró-Realengo, convidado pelos anjos de Realengo, dirigiu a palavra ao Sr. David, com o celular em punho, e este lhe perguntou: “Tá Gravando ? Então me avisa quando estiver me gravando?”

Neste momento o Sr. (Luiz Fortes), representando o Pro Realengo e o Jornal Realengo em Pauta, confirmou: “estou gravando, comecei agora a pouco, quer que eu apague, e recomece?”

Nós somos do blog Pró-Realengo, e do Jornal Realengo em Pauta, e a gente faz uma cobertura aqui no bairro. Ecoando as Reivindicações dos moradores e não é a nossa palavra, é sim os que os moradores externam.

RP/PR:  Praça Piraquara – Então hoje em dia nós temos duas meias praças, por que o rio corta ela ao meio, então não temos praça nenhuma e sim duas meias praças, as reivindicações delas nós achamos interessante, e vimos que isso já foi feito lá no Rio Catarino, na Rua Luiza Barata onde o rio foi transferido para a rua, pois originalmente o rio era na Rua Helianto [neste momento ele chamou um assessor chamado João e se desculpou pois infelizmente tinha que chamar quem conhecesse; [repetimos para que entendesse a conversa]

E vimos que isso já foi feito, foi mudado o curso para ele vir para a Rua Luiza Barata, e lá ele foi parcialmente coberto, passa carro de um lado, passa carro de outro e na parte central onde passa o rio atualmente, está canalizado bonitinho com alguns brinquedos, algumas partes de caixa e visita, que tinha grade (passei antes de vir para cá e constatei que sumiram. Roubado?)

O Sr. João interveio e explicou que o rio passava na verdade nos fundos das casas e a Rio Águas aprovou o desvio do rio…

Sr. David complementou: Só para te falar Luiz, não é inviabilidade técnica é demanda de recursos, então assim só para gente entender. Essa explicação toda, dada por você é pra poder mostrar pra gente que seria viável fazer uma coisa similar que foi feita lá atrás , isso é ponto pacífico a gente tem essa clareza, agora aqui agora o que não podemos permitir é que se crie a expectativa de se fazer uma cobertura do rio pra você unificar a praça é um projeto maravilhoso.

anjos rio catarino 2anjos rio catarino

Mas que hoje nós não temos condição de fazer isso.

Não é viabilidade técnica obviamente, teria de se fazer um estudo ambiental, pra poder saber…Estou aqui tomando frente sem saber se poderia ser feito ou não. Eu acredito que não teria obstáculo, que no caso e a demanda de recursos, e o que eu estou entendendo, o pleito aqui não é só da Associação Anjos de Realengo, é um pleito também dos moradores que se faça uma praça unificada, e o que eu estou colocando enquanto Poder Público, aqui é o seguinte, a gente tá fazendo uma série de investimentos na cidade, então tá num período de contenção de gastos mesmo.

Então se você me perguntasse. Ah David, quanto custaria pra fazer a cobertura do rio?

Não é uma intervenção simples, a gente não vai chegar aqui e unificar as duas praças, é uma obra pesada que vai demandar recursos, há uma expectativa enorme com isso e ao mesmo tempo se cria uma frustação a gente fala que não vai fazer, e não necessariamente o fechamento do rio é determinante para se ter uma praça bem feita.

A gente pode fazer um belo projeto, uma bela reforma unificando as duas praças. A ponte está muito feia? Beleza! A gente faz uma melhora nessa ponte, não significará que a gente precisa cobrir o rio. Só acontecerá um projeto bacana se a gente cobrir o rio? Não, não é verdade!

GEDSC DIGITAL CAMERA GEDSC DIGITAL CAMERA

RP/PR: Nesse momento intervimos dizendo que não era cobrir o rio e sim parte dele no máximo 30 metros.

David: É cobrir o rio…

RP/PR: Para nós, cobrir o rio é cobrir o rio todo, estamos falando de uma pequena parte da praça, só na parte central dela. E você está falando que não tem recurso da Rio Águas?

David: Não é questão de não ter recurso. Recurso a prefeitura tem, só que a gente é gestor, então é assim… Não estou falando que a prefeitura não tem dinheiro pra fazer essa obra, obviamente tem!

Agora você tem o orçamento familiar, você controla ele, dentro das suas prioridades.

RP/PR: Nós íamos contestar que na Praça Guilherme da Silveira (Bangu), estão construindo uma pista de Skate de Zona Sul, o projeto é o mesmo projeto da Zona Sul, maravilhoso diga-se de passagem, mas é a Secretaria de Esporte.

David: Que bom que está acontecendo um investimento desses, com padrão Zona Sul aqui na Zona Oeste. A gente tá fazendo licitação de 60 clínicas da família, 70% ou 80% delas ficarão aqui na Zona Oeste.

RP/PR: É onde vocês  tem mais votos!

David: Não é questão de mais votos. Voto é consequência, ele não é causa. A verdade é que tínhamos uma Zona Oeste abandonada e é a população da cidade do Rio de janeiro, que mais precisa  de atenção. Na Zona Sul, só precisa de manutenção ela está toda pronta.

A nossa proposta aqui como Prefeitura é fazer uma reforma legal na praça, entregar uma praça a população a comunidade. Agora sem essa cobertura do rio. Temos de jogar com a verdade, pois não vou ficar criando expectativas que a gente não vai conseguir corresponder.

Adriana Silveira: Qual é a proposta?

David: Gente uma reforma na praça e a implantação do monumento. Se não atende, a gente busca uma outra alternativa de uma praça na região. Simples.

anjos parentes 3 anjos parentesanjos parentes 2

Adriana Silveira: Não é a Associação, é a população. Não tem praça para as crianças, não tem um lugar legal pra ficar, aqui seria o ponto que  todo mundo viria.

David: Adriana, Adriana … Concordo e a praça vai existir a partir da reforma.

Tem um projeto? (Perguntou outra mãe que estava presente.)

 David: A gente elabora um projeto. É isso que a gente vai discutir agora excluindo de qualquer discussão a cobertura do rio. Ah, vamos botar uma ATI (Academia da Terceira Idade), vamos botar um Play Ground, vamos botar um balanço, vamos fazer isso, vamos fazer aquilo. A gente abre para uma discussão. Agora cabe a nós enquanto gestores é poder ter isso claro.

 

 


Vejam o vídeo com reclamações dos moradores das ruas próximas onde será colocada a homenagem. Eles são contra a escolha do local.

 


 

Independente desta polêmica toda, nós como midas voltado para o bairro e que sempre se preocupa em valorizar o bairro, vê com imenso orgulho receber obra de tão renomada artista, com prestigio internacional no ano em que o nosso bairro comemora 200 anos.

Cristina Motta  artista renomada internacionalmente é a autora da obra.

Cristina Motta- Autora da

Cristina Motta- Autora da obra

Artista plástica Christina Motta, criadora de diversas obras tais como as esculturas de Brigitte Bardot e dos pescadores no mar, em Búzios. Além disto tem trabalhos destacados, como a escultura de Juscelino Kubitschek, e a de Chico Mendes, em Rio Branco, Acre. Christina é referência no Brasil e no exterior. Tem trabalhos expostos em São Paulo (como o “Paulistano”, no Parque do Povo), na Inglaterra, nos Estados Unidos, na Holanda, no Japão e em diversas cidades brasileiras. Na cidade do Rio, são suas criações as esculturas do Tom Jobim, Cazuza, Carmem Miranda e Tim Maia .

http://www.christinamotta.com.br

#realengo200anosreal engo200

 

 

@nytimes, #nytimes , @thewashingtonpost, #thewashingtonpost, @thewallwtreetjournal, # thewallwtreetjournal, @usatoday, #usatoday @latimes, #latimes, @elpais, #elpais, #lefigaro @lefigaro @lemonde, #lemonde @theguardian, @theguardian, @thesun #thesun, @thetimes, #thetimes, @corrieredellasera, # corrieredellasera, @folhadesaopaulo, #folhadesaopaulo, #bbcbrasil, @bbcbrasil, @afp, #afp, @ebc #ebc, @ageinciajb, #agenciajb, agenciaglobo, #agenciaglobo, @bandnews, #bandnews, @cnn, #cnn @g1, #g1, @globonews, #globonews


ReP13- EDITORIAL-CHEGAMOS A ABRIL

11182156_989531724412808_5992229913053305426_n

 

CHEGAMOS A ABRIL

O mês de Abril chega e para Realengo SEMPRE será marcado pela tragédia da Escola Tasso da Silveira. Sempre prestaremos aqui homenagem aos nossos 12 anjos. Nunca deixaremos esquecer essa tragédia. E sempre tentaremos cobrar atitudes para que em nenhuma escola isso se repita. Mostramos nesta edição o drama das porteiras que foram contratadas após a tragédia. Acompanhamos o realenguense Vitor que atua na Casa Fluminense no debate em Senador Câmara sobre mobilidade. A primeira forania traz a palavra do Vigário Episcopal padre Felipe. Na UPP Batan o tempo de pascoa traz distribuição de ovos e bombons na sede e nas ruas do conjunto Agua Branca. Batemos novamente na tecla das chuvas nas ruas do bairro e apresentamos foto da rua gen. Raposo. Além de nossas colunas Ética e Cidadania e Deu no Blog convidamos você a leitura dos artigos dos realeguense Luiz Carlos Chaves e Carminha Morais. Boa leitura

COMO NOTICIAMOS A MAIOR TRAGÉDIA DE REALENGO.

COMO NOTICIAMOS A MAIOR TRAGÉDIA 7deabril 8deabril EM Tasso da SilveiraDE REALENGO.

 

 

 

 

COMO NOTICIAMOS A MAIOR TRAGÉDIA DE REALENGO.

Primeiramente ficamos estarrecidos com a dimensão do ocorrido, e constatamos pela TV e internet que todas as mídias já estavam lá…e além do mais, o Blog Pró-Realengo, que foi criado em 2008 ainda no Blogspot, sempre foi focado em PROmover o bairro, lutar em PROL de melhorias buscando seu PROgresso social, cultural e econômico e evitamos coisas que venham a denegrir a imagem do bairro, não que queiramos virar as costas para os problemas, ao contrário, queremos que eles cessem ou ao menos diminuam e não nos aproveitarmos deste ou daquele episódio de alguma forma para ficar em evidência…evidência esta que foi natural, pois o mundo todo nesta época voltou os olhos para Realengo e ao digitarem o nome do bairro acabamos ficando muito conhecidos, registrando só naquele mês 10.000 visitas no site. Decidimos postar somente uma tarja preta, e posteriormente fizemos a divulgação das ações e lutas que os parentes das vítimas até hoje travam com o poder público, para que isso não volte a ocorrer nunca mais.

sexta-feira, 8 de abril de 2011 Brasil, um país do Presente!

Esta é uma imagem NEGATIVA , que não queremos nem em Realengo, nem em nenhum local. O Pró-Realengo evitou postar algo sobre o assunto, pois além de toda mídia já estar falando exaustivamente, este espaço foi idealizado para promover o bairro com suas coisas boas e ajudar moradores a reivindicar melhorias das coisas ruins. Mas entende que esta tragédia é fruto de falta de educação básica. Se o ensino fosse levado a sério neste país, com professores e funcionários envolvidos na área sendo remunerados dignamente, hoje as empresas não estariam com déficit de mão de obra qualificada, e consequentemente a geração de emprego e de renda seria melhor e evitariam que mentes vazias pudessem ter tempo de planejar um plano muito bem arquitetado como este que vitimou não só essas crianças, mas seus familiares, que terão que conviver só Deus sabe como, com essas lembranças e um vazio eterno em suas vidas.

Senhores educadores e governantes da área educacional repensem essa politica de “País do Futuro”. Quando será este futuro que eu já ouvia falar nos anos 60 quando tinha a idade dessas crianças… se queremos mesmo um Brasil melhor o caminho é A MELHORIA NA EDUCAÇÃO. Vamos pensar e agir como “Um país do Presente”, urgente enquanto ainda há tempo.

Postado por Pro-Realengo – Luiz Fortes (administrador) às 09:13

Como nosso editor ficou sabendo da tragédia?

Como é de costume até hoje sempre pela manhã dou uma vasculhada nas mensagens, nas postagens , nos comentários, publico algo e este dia não foi diferente, ficando totalmente desligado de televisão, no máximo ouço uma música… e por volta de 11 horas recebo um telefonema de um amigo de longa data, Jorge Pereira, com quem trabalhei lado a lado por 26 anos, e aqui transcrevo a conversa telefônica que está muito fresca em minha mente ainda hoje.

– E ai Fortes tudo bem?

– Sim camarada tudo legal.

– E com esposa e filho ….

– Tudo legal também.

– Eles estão em casa?? (já fiquei meio cabreiro)

– Não, minha esposa está fora agora e meu filho está no colégio..

– Ele estuda perto? (Já ficando preocupado)

– Sim bem perto, porque?

– Cara não sei como falar…aconteceu uma tragédia numa escola ai em Realengo e estou preocupado com eles…como ela vai reagir…ele estuda onde..

– Jorge, onde soube disso…que escola??

-Tá em todas as televisões…desde cedo, tu não tá sabendo??

Liguei a TV para entender a preocupação dele… Fiquei estarrecido enquanto via as imagens e as narrações, juntamente com o relato dele ao telefone e disse-lhe que não era a escola em que ele estudava, etc e que não era tão perto assim da minha casa.

Então só tive a confirmação da grande amizade e consideração com esta preocupação com minha família por parte do Zerão (apelido do Jorge). Como diziam os mais velhos: “Amigos a gente conta nos dedos”.

4 anos de saudades

Adriana Silveira, presidente da Associação dos Anjos de Realengo e mãe de Luiza Paula,
nos faz um relato destes quatro anos de saudade e da luta das mães dos Anjos de Realengo.

É uma luta desigual, mas a luta continua e contamos com o apoio da população que

sempre esteve ao nosso lado, e continua mandando uma palavra de conforto uma palavra
de carinho e isso tudo nos ajuda a se manter de pé, pois vivemos de altos e baixos e IMG_20150305_110422279_HDR IMG_20150305_110230760_HDRquando uma mãe está mais fraquinha vem outra e ajuda e vice e versa.

Hoje lutamos não mais pelos nossos filhos, mas pelos filhos
de nossos amigos e vizinhos por todas as crianças de nosso
país. Queremos o direito de botar nossos filhos dentro da
escola e ter a certeza de que vamos voltar e pegá-los com
vida, pois a situação da segurança das escolas está precária, os vigias e porteiros já foram
retirados, ficaram  durante três anos e agora todo já foram mandados embora,uma solução IMG_20150305_092851057_HDR IMG_20150305_092847251_HDR (1) IMG_9816temporária.

IMG_20150305_122315414_HDR

 

 Homenagem aos Anjos.

E nós estamos pra receber uma homenagem em forma de estátua em tamanho real aqui em Realengo, e já que Realengo está pra fazer 200 anos, que possamos receber
este presente, em uma praça digna, uma praça legal, onde nossas crianças possam ir, brincar com segurança. Mas estamos sem local definido, optamos pela praça
Piraquara que é uma praça de fácil acesso a tudo, é bem visível enfim, mas estamos enfrentando o dilema que a nossa prefeitura se recusa a cobrir parte do Rio
Piraquara (atualmente o rio a divide). Assim ficaria uma praça única e mais segura, como já foi feito em outro rio no mesmo bairro, portanto é viável; juntamente com uma reforma, pois como hoje está nem podemos chamar de praça e sim logradouro público, tanto as
crianças quanto os 200 anos do bairro merecem uma nova praça.

PORTEIRAS DEMITIDAS PARTICIPAM DE MISSA DOS ANJOS

Conversamos com as porteiras Fátima Trota, Rosângela e Vilma Virgílio, que trabalharam na rede municipal de ensin, e que participaram da missa em memória dos anjos. Elas nos contaram que foram contratadas para trabalhar nas portarias logo após a tragédia da Escola Municipal Tasso de Oliveira. Passaram por um curso realizado na Guarda Municipal, que tinha cerca de 3 mil porteiros, e que passados 3 anos foram todos esses demitidos, ficando as portarias desguarnecidas e entregue a pessoas com desvio de função. Perguntam as porteiras como fica a segurança das escolas já que elas eram responsáveis pela entrada e saída, atendimento a estranhos, mantendo sempre os portões da escola trancados.

“Assim, as nossas crianças iam estudando com tranquilidade, os nossos diretores podiam trabalhar com tranquilidade. Os agentes educadores podiam ir para o serviço deles, que é circular pelas escolas e auxiliar os professores nos corredores. O secretário escolar podia ajudar o diretor na área administrativa, e a gente fica ali naquela parte.” – disse Vilma Virgílio, que trabalhou na Escola Municipal Ema Negrão de Lima, e indagou à secretária Helena Bomeny o porquê das porteiras não serem consideradas qualificadas, como teria afirmado a secretária, uma vez que passaram por curso realizado pela própria prefeitura. “O que será preciso acontecer? Uma nova tragédia?”

Lágrimas pelos Anjos:

Declaração de Tania Lopes (irmã do Jornalista Tim Lopes).

RP: Como você vê a situação no Rio de Janeiro, onde nós temos tragédias Tania Lopesdiferentes; queríamos que você falasse um pouco sobre isso.

TÂNIA LOPES: Eu acho que nós, pessoas de bem, que buscam a paz e a segurança, temos a nossa indignação sendo desafiada o tempo todo. Precisamos continuar nos indignando pela perda dos nossos jovens, das nossas crianças. E é uma situação quase que diária, cotidiana, que não pode se transformar numa coisa natural. Atos como esses, onde lembramos das mortes dos anjos de Realengo, Servem para sensibilizar o Estado, o governo, pra que a gente tenha a segurança nas escolas, um cuidado na questão dos defensores de direito, de educação, que são os nossos professores. É uma gama de situações seríssimas que precisam ser evitadas pra que essas situações não voltem a acontecer.

IMG_9785IMG_9759IMG_9789IMG_9742

 

 

 

 

 

 

IMG_9737

 

 

 

 

 

 

 

 

Depoimento do Padre Núbio (pároco da igreja São José de Magalhaes Bastos)

RP: A Igreja é presente em todos esses momentos a presença da família junto às famílias dos doze anjos de Realengo. Como o senhor define essa presença, junto a essas famílias, mesmo muitos que não são católicos?

PADRE NÚBIO: Muito se questiona, quando acontece uma se acontece uma atrocidade, um incidente que comove a população dessa forma, onde está Deus nisso tudo? E muitos não percebem que Deus está logo ali, junto com as famílias. Então a Igreja mais do que Pe Núbionunca – e ainda mais a Campanha da Fraternidade esse ano vem lembrar isso – “A Igreja e a Sociedade”, a Igreja deve estar mais preocupada com as coisas da sociedade, com o sofrimento do próximo, não pode se manter numa posição à parte, ela tem que estar junto, tem que estar buscando o conforto, injetando esperança nos corações para que eles não venham a desanimar ou que o quadro não venha a piorar. Desde o início a Igreja se preocupou com essa questão dos doze anjos de Realengo, porque além de serem crianças aqui do nosso bairro, onde a Igreja Católica é bastante atuante. Além disso, eram jovens que participavam das nossas paróquias. Pelo menos temos a informação de que dos doze, quatro eram coroinhas, inclusive dessa Paróquia Nossa Senhora de Fátima e São João de Deus. Então mais do que necessária era a presença nossa. O nosso cardeal D. Orani Tempesta foi uma das primeiras autoridades a chegar no local, no dia do acontecimento, junto com a Doutora Marta Rocha, para consolar as famílias ali na hora. Então sempre que precisarem, nós vamos estar aqui representando a Igreja, representando esses doze jovens, que eram crianças que nós já consideramos nossos anjos, que intercedem por nós lá no Céu.

Ao final Padre Flávio pároco da paróquia Nsª Fátima e São João de Deus, onde foi celebrada missa de quatro anos dos anjos de Realengo.

Pe. Flávio

 RP: Gostaríamos de saber como o senhor vê esse momento, de dor e de saudade, e como é a presença da Igreja junto com essas famílias.

PADRE FLÁVIO: Eu procuro ser uma pessoa muito atenta. Assim que eu vi esse problema na escola, há 4 anos, eu liguei aqui pra paróquia, pra me inteirar do ocorrido. E hoje, Deus quis que eu estivesse aqui celebrando essa missa, sendo pároco da paróquia da região. É uma missa que a gente celebra com o coração apertado, triste, mas ao mesmo tempo, cheio de fé e esperança. A gente precisa unir as pessoas de bom coração, pra lutarmos contra essa violência que toma conta do mundo todo, do Brasil, do nosso Rio de Janeiro, que é uma cidade muito bonita, mas a violência está presente no coração do ser humano, e a gente precisa tirar todo esse sentimento ruim, e preencher com o amor, a paz, a misericórdia, lutar com muita determinação, e não desistir. A gente não pode desistir da paz, do amor. A gente precisa unir forças pra celebrar a vida, e tornar o próprio dia-a-dia algo melhor.

 

Realengo em Pauta: Abrimos espaço para Zoraide Vidal, e ela vai mostrar o outro lado da violência,enfrentadas pelas famílias dos policiais, e que não recebem a divulgação necessária.

ZORAIDE: Meu nome é Zoraide Vidal, sou mãe da policial civil Ludmila Vidal, que foi levada para dentro de uma favela num assalto em 2009, foi espancada, morta a
pauladas e depois queimaram o carro dela. Nós mães do grupo nos ajudamos. Das pessoas que fizeram isso, dois já faleceram, outro tá preso no complexo de Bangu. Então, se a gente
correr na frente, a gente consegue fazer justiça. A nossa associação que está surgindo agora, é uma associação que vai proteger os policiais, porque protegido você só está pelo Céu, mas aqui na Terra você não está. Então nós vamos juntar forças, levantar a moral do
policial, que tá muito abalada, pois infelizmente a imprensa ajuda a colocar o policial pra baixo. Quando o policial morre, ninguém faz manifestação. O que a gente tá querendo é isso, elevar a autoestima do policial, porque ele é um funcionário público, que está ali pra
cumprir o dever dele. Se ele sai na rua pra segurar a multidão ou pra bater e agredir, ele só revida o que ele recebe. Então nós estamos aqui nessa luta pra unir, pra dar força, pra melhorar a vida do policial, porque ele merece, ele é o nosso grande herói. Quando a gente se vê diante do nosso algoz, que é o ladrão, é a polícia que chamamos e depois a gente agradece a Deus. Então ele, o policial, ele tem que estar à frente, ele
tem que ser valorizado, ele tem que ter direitos humanos sim. Vamos nos unir, pra gente mostrar a nossa força, e derrubar essa bandidagem que está no nosso estado.

 

 

 

Debate sobre políticas públicas.

A Associação Anjos de Realengo junto com a Pastoral de Favelas tem a honra de convidar a todos para o debate sobre Políticas Públicas nas áreas: Segurança, Moradia e Saúde.

A realização desse debate é resultado da reflexão do Artigo I da Declaração de Direitos Humanos – 1948 – “Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.”

Data: 19 de maio de 2013

Hora: 16:00 h

Local: Paróquia Nossa Senhora de Fátima e São João de Deus

Endereço: Estrada Manuel Nogueira de Sá, nº 1.421 – Realengo – RJ.Maiores informações:

Tel: 22292-3132/ramal: 476 ou pastoralfavelas@arquidiocese.org.br

Mons. Luiz Antonio

E Equipe

Rio de Paz e Anjos de Realengo fazem manifestação pelas vítimas dos EUA

Adriana dos Anjos de Realengo e uma criança junto a Bandeira dos Estados Unidos

No dia da Missa 7º Dia da trajedia da escola Sandy Hook, O Rio de Paz e os Anjos de Realengo fizeram um ato de solidariedade as vitimas e familias da escola americana na paorta da escola Municipal Tarso da Silveira, palco de uma tragedia semelhante aqui no Brasil.

O ato teve a presenta de outras entidades de defesa dos direitos humanos, estiveram presentes Adriano Dias do Com Causa e Renata dos Anjos do Cabral, uma parente Jualiana que é casada com um Americano Michael. Juntos rezeram e participaram do ato. Michael inclusive cantou uma musica, apos Celso Paulo cantar a música que escreveu para a tragedia da tasso.

O Ato reuniu as Maes dos Anjos e representantes da sociedade. A Carminha Morais também cantou uma musica e Adriana Mandou uma mensagem para o povo da escola americana atraves de Michael. Ao Final os presentes fizeram uma oração em dois idiomas e por rezeram o pai Nosso e deram um grito pedindo Paz.

Solidariedade ao Povo Americano

 

crianças seguravam cruzes feitas com lápis.